Pesquisa estuda relação do zika com síndrome que afeta sistema nervoso

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

EPIDEMIA

Postado em 27 de novembro de 2015

Do G1, PE

PE registrou 130 casos da Síndrome de Guillain-Barré neste ano.
Em sete casos, pesquisadores encontraram síndrome e zika associados.

Uma pesquisa detectou que sete pacientes diagnosticados com a Síndrome de Guillain-Barré (SGB), que afeta o sistema nervoso e causa fraqueza muscular, tiveram antes infecção por zika vírus. Os pesquisadores acreditam que o zika foi o responsável por desencadear a síndrome nestes casos, sugerindo a relação do vírus e complicações neurológicas. O levantamento foi feito pelo pesquisador Carlos Brito.

Pernambuco tem o registro 130 casos da síndrome em 2015 no estado – em 2014, foram nove, segundo a Secretaria de Saúde. A possível relação entre as duas doenças vem logo após o Ministério da Saúde anunciar que o zika vírus é a principal hipótese para explicar o aumento da ocorrência de microcefalia na região Nordeste. O número de casos notificados de microcefalia já chega a 739 em todo o país, sendo 487 somente em Pernambuco, segundo dados divulgados na terça-feira (24).

O pesquisador Carlos Brito explica que o aumento da incidência dos casos de SGB ocorreu em maio, logo após o pico de casos de zika no estado. “Essa análise antecede a de microcefalia. São sete casos em que isolamos o vírus, o que comprova que o zika pode levar a quadros [de complicações] neurológicos”, detalha Brito.

A SGB atinge o sistema nervoso periférico e, geralmente, causa déficit de força nos membros, começando pelos inferiores e podendo atingir o tronco e vias respiratórias. Ela ocorre em uma a cada 100 mil pessoas. O tratamento é uniforme e os pacientes ficam, geralmente, internados recebendo medicação, explica Brito.

A hipótese de relação entre o zika e a síndrome havia sido levantada na Polinésia Francesa, quando houve um aumento de quadros neurológicos após um surto de zika, mas sem conclusões. “Sempre que se suspeita de Guillain-Barré, investigamos as várias causas, como herpes e outros. Na Polinésia Francesa, havia esse relato. Temos agora que analisar é o montante de casos da síndrome que tem relação a zika”, explica Brito.
saiba mais

Os dados foram coletados junto ao setor de neurologia do Hospital da Restauração, localizado na região central do Recife, sob coordenação da pesquisadora Lúcia Brito. “Quando percebemos o aumento dos casos, procuramos os serviços de neurologia e ela [Lúcia Brito] havia percebido esse aumento dos quadros neurológicos. Iniciou-se então um protocolo dentro da instituição”, aponta Brito.

O pesquisador explica que os protocolos de vigilância estão sendo criados para esse caso, que vem sendo monitorado em todo o Nordeste. Os especialistas se dedicam a aprofundar os estudos e a como monitorar os casos de zika e suas possíveis complicações. “A frequência da complicação é pequena, mas precisa ser estudada. A maioria desses pacientes tinham um quadro de zika antes dos quadros neurológicos. Isso obviamente reforça a hipótese de que o zika tem uma proximidade neurológica.”, afirma.

Júnior Trindade – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar