Hemocentro de Pernambuco (Hemope) realiza campanha de carnaval para convidar doadores

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
SAÚDE
Postado em 20 de janeiro de 2016
Diario de Pernambuco
Para garantir estoque de sangue durante o período carnavalesco, o Hemope começou ontem uma campanha para convidar os foliões e não foliões a doarem sangue. No primeiro dia da campanha, os doadores foram recepcionados na Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco pela Banda da Polícia Militar de Pernambuco e pelo bloco lírico O Bonde. A campanha com o mote Solidariedade combina com qualquer fantaia Doe Sangue, será veiculada na televisão, rádio, outdoors e cartazes nos ônibus e estações do metrô.
A expectativa é de aumentar o número de doações no mínimo em 15%. No ano passado, a campanha conseguiu aumentar em 38%, totalizando de 7,4 mil doações na primeira semana da campanha. A ação visa aumentar os estoques do banco de sangue, principalmente os de RH positivo (A+, B , AB e O ), que estão em situação crítica. “Contamos com a solidariedade do povo pernambucano para repor o estoque de sangue, bem como ajudar a salvar muitas vidas”, comentou a presidente do Hemope, Yêda Maia.
De acordo com Anna Fausta Cavalcanti, diretora do Hemocentro de Recife, os estoques que estão em situação mais preocupante é o dos tipos sanguíneos com RH positivo, que são os que mais têm demanda de saída. Também estão em estado de alerta os sangues de tipo A- e O- . Os mais estáveis, atualmente, são o AB- e B-. O sangue do tipo O- é considerado doador universal, uma vez que todos os outros tipos sanguíneos são compatíveis. Já o AB é tido como receptor universal, por receber sem alteração todos os outros.
Danilo Lino, que estava no local durante o lançamento da campanha e é um doador regular, acredita que o ato faz parte da cidadania. “A gente só tem a ganhar ajudando ao próximo”, reforçou. Para doar, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 quilos, ter feito tatuagem e piercing até seis meses antes da doação. Pessoas com comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis, devem esperar 12 meses para doar. Quem teve Hepatite A depois dos 10 anos, mas para os que têm alguma doença transmissível pelo sangue, como hepatites B e C, Aids/HIV, doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas, não podem realizar doação.
Neto Lira – Latino News Brasil

 

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar