Marqueteiro do PT admite ter recebido dinheiro de caixa dois na campanha de Dilma Rousseff

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

POLÍTICA

Postado em 22 de julho de 2016

G1

O publicitário que coordenou a propaganda de campanhas eleitorais petistas João Santana, e a mulher dele, Monica Moura, admitiram que receberam dinheiro de caixa dois por dívidas da campanha de Dilma Rousseff à Presidência, em 2010.

O publicitário João Santana e a mulher dele, Monica Moura, confirmaram ao juiz Sérgio Moro que o engenheiro Zwi Scornicki pagou dívidas da primeira campanha à Presidência de Dilma Rousseff, em 2010.

Monica: Foi referente a uma dívida de campanha que o PT ficou devendo à gente na campanha de 2010, na campanha da presidente Dilma, primeira campanha. Ficou uma dívida de quase R$ 10 milhões que não foi paga e que demorou e foi protelada e eu cobrei muito essa dívida.
Moro: Esses pagamentos foram objeto de algum registro eleitoral?
Monica: Não, não foi. Foi caixa 2 mesmo.

Zwi Skornicki, que era representante de um estaleiro que tinha contratos com a Petrobras, prestou depoimento nesta quinta à Justiça, pela primeira vez como colaborador da Lava Jato. Disse que pagou propina a diretores da Petrobras e ao Partido dos Trabalhadores.

O engenheiro falou que tratava dos pagamentos em reuniões com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, já condenado na Lava Jato. João Vaccari também foi interrogado nesta quinta e ficou em silêncio.

No depoimento, Zwi Scornicki afirmou que acertou com Vaccari o pagamento da dívida em parcelas. O repasse, segundo o engenheiro, foi feito em dólares numa conta secreta no exterior.

Zwi Scornicki disse que não sabia que a dívida era de campanha. O engenheiro confirmou que foram repassados US$ 4,5 milhões ao casal Monica Moura e João Santana, de um acerto de US$ 5 milhões.

“Era cinco, só que acabou sendo pago quatro pontos cinco porque o processo da Lava Jato já estava muito avançado, aí eu parei de pagar a última parcela”.

A delação de Zwi Scornick ainda não foi homologada. O acordo prevê que o engenheiro deve ficar até agosto na Polícia Federal em Curitiba e depois passa a cumprir prisão domiciliar, com tornozeleira. Ele se comprometeu a devolver US$ 24 milhões.

O advogado de João Vaccari Neto afirmou que as declarações de Zwi Scornicki não procedem, precisam ser comprovadas, senão jamais podem servir de base para condenação. E que as provas não serão conseguidas porque as afirmações não refletem a verdade.

Em nota, o Partido dos Trabalhadores declarou todas as operações foram feitas dentro da legalidade e que as contas da campanha de 2010 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Neto Lira – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar