Dilma Rousseff abre mão do recesso de fim de ano

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

POLÍTICA

Postado em 25 de dezembro de 2015

Do Correio Braziliense

Após passar o ano em um “inferno astral”, imersa na pior crise econômica das últimas duas décadas e pressionada politicamente, a presidente Dilma Rousseff não conseguirá descanso nem no fim do ano. Pela primeira vez desde que assumiu o Planalto, em 2011, a petista não vai tirar folga em dezembro, como fez nos últimos anos, e na segunda-feira já estará de volta a Brasília para se reunir com a equipe. O objetivo é apresentar medidas econômicas no início do ano que vem, após a troca de ministros da Fazenda, de onde saiu Joaquim Levy para dar lugar a Nelson Barbosa, e do Planejamento, assumido por Valdir Simão. Especialistas analisam que tirar folga poderia aliviar a tensão à qual a presidente acabou exposta neste ano.

Dilma viajou na quarta-feira para Porto Alegre para passar o Natal com a família. A filha da presidente, Paula Rousseff, está grávida do segundo filho, que deve nascer nos próximos dias. Na segunda, no entanto, Dilma tem reunião marcada com a equipe econômica e ministros do núcleo duro para definir de três a quatro eixos das medidas que pretende apresentar ao Congresso no início de 2016. Nenhuma outra viagem da presidente está prevista. Na reta final de 2015, a presidente ganhou um respiro com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de anular o rito do impeachment conduzido até então na Câmara dos Deputados, mas ainda não se livrou do pedido de impedimento. O primeiro trimestre do ano que vem promete ser conturbado.

Nos anos anteriores, Dilma costumava aproveitar a folga do Natal para descansar até os primeiros dias de janeiro. Desde que assumiu o governo, Dilma tira alguns dias de férias no fim do ano, em Aratu, na Bahia. Em 2011, a presidente viajou à Praia de Inema, na base aérea, e ficou do dia 26 até 8 de janeiro. Nos outros, repetiu o comportamento. Em 2013, em 2 de janeiro, Dilma chegou a ser alvo de protesto de quilombolas. No mesmo ano, ela teve de interromper o descanso por um dia para visitar a cidade de Governador Valadares (MG), que havia sido inundada.

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso também tinham o costume de tirar férias no mesmo período. Lula também costumava ir a Aratu. Em 2010, o ex-presidente chegou a ser fotografado levando um isopor na cabeça em uma das praias do local. Diferentemente de Dilma, que todo ano vai a Aratu, Lula variou um pouco mais seus destinos. Ele chegou a visitar Fernando de Noronha e o Guarujá. Já FHC não passava o descanso em Aratu. Mas fazia questão de tirá-lo e o fez mesmo em meio a uma reforma, em 1999, quando foi a Praia do Saco, em Sergipe.

DESCANSO ESSENCIAL

Para a diretora de Ética e Defesa Profissional da Associação Nacional de Medicina do Trabalho, Rosylane Rocha, as férias proporcionam um escape para o estresse e tensão provocados pelo trabalho. Rosylane destaca o caráter revigorante do descanso. “É como se neste período houvesse uma recarga de energia para retornar com vigor para uma nova fase de alta produtividade”, diz. A médica do trabalho também ressalta que tentar solucionar um problema, abrindo mão das férias pode ser prejudicial, com desgaste físico e emocional. “Muitas vezes, a atenção e o raciocínio ficam por demais comprometidos, a ponto de não se obter êxito em tratativas e planejamentos de crise. Nesse sentido, sempre que possível, é desejável se afastar por um tempo para descansar a mente.”

No caso da decisão da presidente Dilma de abrir mão das férias, Rosylane entende a necessidade de trabalho da petista, mas diz que reduzir a tensão poderia evitar maiores desgastes. “Por se tratar de chefe de Estado, suas férias não são férias em essência, tendo em vista que deve ser interpelada a todo momento por seus assessores e demais autoridades para assuntos urgentes de interesse da nação. Ainda assim, diminuir a agenda presidencial já aliviaria a tensão e seria importante para se recuperar um pouco do cansaço físico e mental. A decisão de abrir mão das férias, na situação de grave crise, pode ser a única medida possível para evitar maiores desgastes e piorar a tensão”, avalia.

MEMÓRIA

Durante o primeiro mandato, a presidente Dilma Rousseff manteve o destino das férias: a praia de Inema, na Base Naval de Aratu (BA). No último ano, teve apenas cinco dias de descanso. Um dos motivos do retorno à capital federal foi a cerimônia de posse, em 1º de janeiro, no Palácio do Planalto. No mesmo período, ela lidava com o ajuste fiscal e com a iminência da instauração da CPI da Petrobras. Em 2013, a presidente interrompeu o descanso para visitar Governador Valadares (MG), inundada por enchentes, e retornou no mesmo dia para a praia. No ano anterior, enfrentou um protesto em frente à Base Naval de Aratu, organizado pela comunidade quilombola local que denunciava supostos atos de violência da Marinha contra a comunidade. O local também foi cenário das férias do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde chegou a ser visto com um isopor na cabeça no último ano do mandato. Ele também visitou Fernando de Noronha (PE) e o Guarujá, no litoral de São Paulo. Em janeiro de 2006, durante a repercussão do mensalão, denunciado em julho de 2005, o então presidente encurtou as suas férias de fim de ano na base naval. No mesmo período, o país enfrentava a crise do Fundo Monetário Internacional (FMI), outra grande polêmica do governo Lula. Já o antecessor, Fernando Henrique Cardoso, viajou em janeiro de 1999 para a Praia do Saco (SE), próxima a Aracaju, onde passou seis dias, enquanto uma crise financeira se desenrolava. As férias foram vistas como uma tentativa de mostrar tranquilidade e evitar o pânico no mercado financeiro. Nesse período, a substituição do então presidente do Banco Central (BC), Gustavo Franco, pelo diretor de política monetária do BC, Francisco Lopes, provocou instabilidade na confiança dos investidores. Também estava pendente o pedido de moratória – prorrogação do pagamento da dívida – do então governador de Minas Gerais, Itamar Franco. Somado a isso, o Congresso trabalhava em uma convocação extraordinária em votações de ajuste fiscal.

Júnior Trindade – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar