Dicas para cuidar dos pets durante as férias

Dicas para cuidar dos pets durante as férias

32
Compartilhar

Tocando de Primeira

Vai viajar ou curtir as férias de janeiro na cidade? Para qualquer que seja a ocasião, os tutores de cães e gatos precisam estar atentos a alguns cuidados especiais, principalmente por conta das altas temperaturas nesta época do ano. Por exemplo, ao frequentar parques e praças, evitar expor o pet ao sol entre às 10h e 16hs, período do dia em que o sol está mais quente e pode causar queimadura nas patas dos animais.

Agora, para quem vai viajar, é importante considerar se o hotel de destino é pet friendly pois caso não seja, existem opções para garantir o cuidado e o conforto que eles merecem, como Pet Sitter e hotel específico para pets. O primeiro é um cuidador profissional que vai até a casa do dono para alimentar e dar carinho ao cão ou gato enquanto o tutor está ausente. Este serviço é ideal para os gatos, já que eles não precisam sair do ambiente em que estão acostumados, evitando o estresse.

Tocando de Primeira

Já os hotéis para pets, são estabelecimentos com infraestrutura completa para acomodá-los, como espaço para brincar, piscina, entre outras opções de recreação. Além disso, muitos oferecem ainda a possibilidade de o tutor monitorar por vídeo toda a estadia do pet.

Para evitar que seu animal de estimação sofra com o forte calor e curta o verão da melhor forma, a Dra. Manuela Fischer, Médica-Veterinária, separou algumas dicas que podem fazer toda a diferença e ajudar a família e o seu pet a curtirem juntos.


Antes de viajar, verifique se o hotel escolhido é pet friendly, ou seja, se é permitido que o pet acompanhe o tutor na viagem. Além de atendimento diferenciado e equipamentos necessários para recebê-lo (comedouro e itens de higiene), pode oferecer opções de recreação para os pets enquanto os tutores passeiam pela cidade.

Se for viajar de carro, mantenha sempre o seu pet seguro por um cinto de segurança próprio para ele. Caso não tenha o acessório, mantenha-o confortavelmente instalado dentro da caixa de transporte, que também deve estar fixa ao assento do carro.

Prefira horários mais frescos para os passeios (início do dia e começo da noite).


Fique atento ao piso quente, que pode queimar as patas e causar sofrimento aos pets. Evite passeios no asfalto e areia que, geralmente, estão quentes nesta época do ano.

Buscar estratégias para troca de calor (chão mais frio, brincadeiras e enriquecimento ambiental com água e gelo, banhos, ventilação, tosa de animais mais peludos etc.) é um excelente caminho.

Na hora do passeio, leve uma garrafinha de água fresca e ofereça com frequência ao animal. Molhar a barriga e patinhas também ajuda a refrescar.

Reforce a atenção com a alimentação do pet, uma vez que o apetite pode diminuir e o consumo em momentos e em quantidades inadequadas pode gerar mal-estar.

Experimente dividir a quantidade de alimento em mais porções ao longo do dia e ofereça em horários mais frescos em que o animal já apresente mais conforto térmico.

O alimento úmido (sachê), que também é completo e balanceado, é um bom recurso para estimular a ingestão de alimentos neste período, já que é composto por 60 a 90% de água, contribuindo com a ingestão hídrica. O tutor pode oferecer apenas ele ou, então, misturar com o alimento seco, o que tornará ainda mais palatável a refeição.


Mantenha sempre água limpa e fresca à disposição e aumente o número de vasilhas com águas em casa. Incluir pedrinhas de gelo na vasilha ou disponibilizar água gelada também são recursos interessantes para estimular a ingestão de água. No caso de gatos, espécie que por natureza já ingere pouca água, o uso de fontes (água corrente) também é um recurso muito interessante.

Evite oferecer sorvete, água de coco ou frutas para seu pet. Independente da época do ano, o recomendado é manter a alimentação específica que ele está acostumado a consumir. Outros itens/alimentos podem se tornar vilões e causar, inclusive, problemas gastrointestinais e aumentarem as chances de um quadro de obesidade.

Sempre busque a orientação e o acompanhamento de um profissional para introduzir e alterar o manejo alimentar do pet.

Fonte: Folha da região

Tocando de Primeira