Vídeo de criança desesperada ao ser separada da mãe por ordem de juiz esta comovendo as redes sociais

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

20160128143131148039o

Juiz devolveu criança brasiliense ao pai em audiência ocorrida na noite dessa quarta-feira (27).

Tem causado comoção nas redes sociais um vídeo em que um garoto de 6 anos chora e implora por ajuda ao ser retirado do colo de um homem e entregue ao pai. As cenas foram gravadas na noite dessa quarta-feira (27/1) durante audiência realizada no Fórum do Riacho Fundo I, cidade onde a mãe da criança mora. O juiz Edmar Ramiro Correia decidiu devolver a guarda ao pai, que mora em Capivari, interior de São Paulo.

A mãe, que foi casada com o homem por cerca de um ano, conta que a separação, ocorrida em 2011, aconteceu devido às constantes agressões físicas e psicológicas que sofria. A mulher denunciou o então marido à polícia três meses após o casamento.  Ela afirma que cedeu a guarda da criança ao pai por conta de várias ameaças a ela e aos familiares. “Nunca imaginei que ele pudesse fazer com o meu filho o que fazia comigo”, justifica.

Em setembro do ano passado, a mãe soube pela ex-cunhada que o filho sofria maus tratos do pai e da madrasta. Ela ligou no Conselho Tutelar de Capivari e explicou a situação. “Falei que meu filho estava sofrendo e pedi para que eles fossem à casa dele verificar a denúncia mas, horas depois, meu ex-marido me ligou e ameaçou matar o menino se eu acionasse a justiça”.

Com todo o ocorrido a mãe resolveu procurar a Defensoria Pública do DF, que a aconselhou ir à cidade ver como a criança estava. “Quando cheguei em São Paulo, não reconheci meu filho. Ele estava muito triste, chorava, estava abatido, magro. Quando era contrariado, xingava e mordia as pessoas. Ele me implorou para ficar comigo, então resolvi trazê-lo para casa”, relata.

https://youtu.be/h5WciDGGN5Q

De volta ao DF a mãe procurou o Conselho Tutelar, onde a criança foi ouvida. Ela recorreu à Defensoria Pública e pediu a guarda provisória, concedida no mesmo mês. Segundo o laudo emitido pelo conselho tutelar, a criança relatou com riqueza de detalhes agressões físicas que sofria. O texto do documento diz que o menino não queria voltar a morar com o pai e madrasta.

O Ministério Público do DF também foi acionado e emitiu análise na qual consta que o menino não estava em situação de risco em companhia da mãe, de seus familiares e amigos. O MP identificou diferentes opiniões dos conselhos tutelares de Capivari e do Riacho Fundo. A conselheira tutelar do DF, apesar de não emitir parecer, destacou o relato de maus tratos sofridos e o desejo do garoto de ficar na cidade. Por outro lado, a conselheira paulista argumentou não haver indícios de agressões por parte dos responsáveis.

O pai entrou com pedido de busca e apreensão para levar o filho de volta a São Paulo e recuperou a guarda na noite de ontem. O Defensor Público do DF, do Núcleo do Riacho Fundo I,  responsável pelo caso, Leandro Nascimento, afirmou que está vai tentar reverter a decisão. “Vou entrar com o recurso amanhã mesmo, o juiz e o promotor do caso entenderam que neste momento o melhor para o menino é ficar com o pai, mas vamos recorrer ao Tribunal de Justiça do DF para que isso seja revisto”. A reportagem tentou entrar em contato com o pai, que não atendeu as ligações. “Só quero que devolvam o meu filho. Ele não pode passar por tudo isso novamente. Confiei na justiça e ela falhou comigo. Levaram meu menino aos gritos”, disse a mãe.

Com Correio Braziliense

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar