Neto de Chico Anysio, morto por afogamento, fazia uso de chá indígena alucinógeno

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

NOTÍCIA

Postado em 09 de março de 2016

MSN Entretenimento

Márcia Brito, mãe de Rian Brito – morto por afogamento em uma praia de Quissamã, no Rio de Janeiro, na última semana -, revelou o real motivo pelo qual o nome de Leona Cavalli foi envolvido no caso do falecimento de seu filho.

A cantora disse que o neto de Chico Anysio costumava tomar o chá alucinógeno indígena Ayhuasca, mais conhecido como Santo Daime, oferecido nos encontros da seita Porta do sol, cuja fundadora, no estado fluminense, é a atriz de “Totalmente Demais” – trama das 19h da Globo.

A atriz explicou que o músico frequentava os encontros da Porta do Sol havia um ano e quatro meses e que ele participou de quatro rituais. Márcia disse que desde então, Rian costumava “ouvir vozes do chá” e “procurar lugares bonitos para se isolar e meditar por dias”, mas “sempre voltava para casa”.

“… Com o convite de um grande amigo de infância, foram ao tal chá, e Rian começou a ficar sério, diferente, largou a música, coisa que fazia umas 13 horas por dia, perdeu o humor, e começou a ficar em uma desenfreada mania de jejum e meditação. Sua aparência mudou totalmente. Seu jeito também. Ficou muito mais introspectivo. […] O total foram 1 ano e 4 meses do mais profundo inferno que o Rian viveu. Ele perdeu sentido de tempo, grana, de absolutamente tudo”, relatou ao jornal “Extra”.

Márcia destacou ainda que ficou preocupada com o estado do filho, que não comia havia dias, e decidiu visitar a sede com ele, em dezembro de 2015, e que ela mesma tomou o tal chá com Rian, com o intuito de saber o que estava se passando com ele.

“[…] Para participar tem que pagar R$ 120, tomar o chá e ficar com os olhos fechados para entrar em alfa. Na entrada, você dá o seu nome e assina um termo que diz que se você tomar tais remédios de psiquiatria, não pode fazer uso do chá, mas só neste caso. Como eu e Rian nunca tivemos, graças a Deus, nada a ver com psiquiatria, assinamos. Era a quarta vez dele, e a primeira [e última] minha. Mas como mãe, sabendo que íamos entrar em alfa, fiz o contrário, não fechei os olhos e dominei minha mente, para não deixar a lucidez, pois havia ido lá apenas para saber porque meu filho estava em um estado estranho e não comia praticamente nada. No meio da experiência de quatro ou cinco horas, você ingere primeiro um copo e durante a sessão mais duas doses pequenas que ficam te oferecendo mesmo que você esteja ‘para lá de Marrakesh’. O Rian mal conseguia andar, e não falava coisa com coisa”, desabafou.

Apesar disso, a ex-esposa de Nizo Neto, pai de Rian, disse que seu objetivo é fazer uma alerta sobre o uso da erva e que não pretende processar ou culpar a atriz pela morte do filho.

“O que queria fazer, repetindo seu nome e te convidando para a primeira fila do crematório do meu filho, era para que você tomasse consciência do estrago que o chá de Ayhuasca pode gerar a uma família. Era para você sentir por uma hora na pele o que sentirei para toda curta vida que me resta. E, principalmente, que parasse não só você, como todas as Igrejas do Brasil, a fornecer esta química para as pessoas. Muitas pessoas podem ser alérgicas, incompatíveis quimicamente e disparar algo terrível em suas mentes para o resto de suas vidas…”, ressaltou.

Contudo, Márcia acredita que o fato de o filho ter escolhido uma praia em Quissamã para meditar nada teve a ver com a seita.

“As fugas eram assim: o máximo que ele ia foi Arraial do Cabo. A voz do chá que falava com ele. Tenho a impressão que ele escolheu um lugar perto, uma praia deserta no Rio de Janeiro para meditar e se isolar. Quissamã é um lugar superatraente”, completou.

Leona se defende

Leona Cavalli se manifestou acerca da polêmica em que seu nome foi envolvido, na última segunda-feira (7).

“Isso é um absurdo. Mas eu não posso entrar nessa questão agora, ele foi cremado ontem… De toda maneira, eu só posso te dizer que esse é um sacramento regularizado no Brasil e inscrito no Congresso Nacional Antidrogas. Isso que ela está falando, ela está falando por uma visão dela. Eu sinto muito realmente, fico muito tocada com a dor dela. Preferia não ter que fazer isso. Mas, infelizmente, chegou em um ponto absurdo, e eu vou ter que tomar medidas jurídicas e criminais. Vou ter que processar”, declarou a atriz à publicação.

Neto Lira – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar