Fim de uma era: lâmpadas de Thomas Edison estão sendo banidas do mercado

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Postado em 16 de junho de 2015

Depois das lâmpadas incandescentes de 100w e 150w, agora é a vez da de 60W, ser banida do mercado. Prazo vai até o dia 30 de junho de 2015.

No dia 30 de junho de 2012 teve início a primeira etapa do processo que proibiu definitivamente a fabricação, importação e comercialização de lâmpadas incandescentes no Brasil, com conclusão prevista para 2016. É o fim de uma era. Os algozes do seu banimento atendem pelos nomes de sustentabilidade, economia e eficiência energética.

A primeira lâmpada de incandescência foi patenteada em 1880 pelo americano Thomas Edison, com o mesmo desenho bojudo que apresenta até hoje. Ao longo de todo esse período, a única mudança significativa foi no seu filamento, o fio interno que emana luz e calor -, que no início era de carbono e, atualmente, de tungstênio. Mas, depois de atravessar incólume todo o século XX, a lâmpada incandescente adentrou o XXI como o exemplo acabado de desperdício e ineficiência, uma vez que seu filamento emite apenas 10% de luz e gera 90% de calor.

O Brasil não é o pioneiro nesse cuidado com a sustentabilidade, suspendendo as incandescentes como gastonas de energia elétrica. Outros países já aboliram ou estão em vias de acabar 100% com essas lâmpadas, ao mesmo tempo em que o nosso país dá o seu pontapé inicial no processo.

Cuba, por exemplo, vem restringindo as incandescentes desde 2007, e a União Europeia encerrou o processo em setembro de 2012 (embora tenha iniciado em 2009 com a proibição da 100W). Na Austrália, quase todos os modelos de incandescentes estão proibidos desde 2009. E até nossos vizinhos argentinos iniciaram o programa com mais antecedência, em 2008.

A China, responsável pela fabricação de 70% das lâmpadas incandescentes de todo o mundo, anunciou no final de 2011 seu programa, propondo a extinção dos modelos iguais ou superiores a 100W a partir de outubro de 2012, chegando à de 60W no final de 2014 e à de 15W em 2016. Com isso, extinguirá o desperdício de energia gerado por cerca de 1 bilhão de incandescentes utilizadas no país. Desde o dia 30 de junho de 2012, portanto, a lâmpada incandescente de 150W foi proibida a sua fabricação nacionalmente ou importada, os estoques das referidas lâmpadas puderam ser distribuídos aos lojistas até o dia 30 de dezembro de 2012. E os lojistas, por sua vez, puderam vendê-las para os consumidores até 30 de junho de 2013, hoje as vendas estão definitivamente banidas.

No Brasil, não existe lei determinando a proibição da fabricação ou importação e comercialização das incandescentes, como muitos acreditam. O que existe é uma Portaria Interministerial de n´ 1007, de 31/12/2010, na qual o Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia – estabelece a eficiência luminosa mínima para as lâmpadas incandescentes, em patamares muito altos, que inviabilizam sua fabricação.

O principal modelo de lâmpadas incandescentes comercializado no Brasil é o de 60W, que será banido totalmente no dia 30 de junho de 2015.

Com a saída gradual das incandescentes de tetos e abajures, a aposta é que o consumidor migrará para as lâmpadas chamadas de econômicas, ou seja, as compactas fluorescentes que consomem 80% menos energia elétrica. Todavia, uma parte desse mercado irá também para a incandescente halógena modelo de lâmpada com bulbo igual a atual incandescente de tungstênio, porém 30% mais eficiente. Mas ambas não devem fazer história pois, já estão sendo substituídas pelas lâmpadas com tecnologia LED (light emitting diode), as grandes vedetes da atualidade e que deverão representar 50% da iluminação mundial até 2016 e, segundo expectativas internacionais, ao redor de 80% em 2020.

Lâmpada econômica - muito difundida em 2001, mas já está sendo substituída por lâmpadas LED´s.
Lâmpada econômica – muito difundida a partir 2001, mas já está sendo substituída por lâmpadas LED´s.

Lâmpada LED - Considerada a grande vedete da atualidade, por ser muito mais econômica quando comparada com as incandescentes e as econômicas.
Lâmpada LED – Considerada a grande vedete da atualidade, por ser muito mais econômica quando comparada com as incandescentes e as econômicas.

Júnior Trindade – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar