Dois jovens são detidos em protesto contra governo Temer em São Paulo

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

PROTESTO

Postado em 3 de setembro de 2016

G1

Paredes da Acipi foram pichadas durante protestos contra Temer em Piracicaba (Foto: Hildeberto Jr./G1)
Paredes da Acipi foram pichadas durante protestos contra Temer em Piracicaba (Foto: Hildeberto Jr./G1)

A manifestação contra o governo de Michel Temer em Piracicaba (SP) terminou com a detenção de dois jovens na tarde deste sábado (3). Eles são suspeitos de picharem e depredarem o prédio da Associação Comercial de Piracicaba (Acipi), que manifestou apoio ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

O G1 entrou em contato com os dois jovens detidos e seus advogados, mas eles não quiseram comentar o caso. Os rapazes prestaram depoimento à polícia e foram liberados.

Segundo o presidente da Acipi, Paulo Roberto Checoli, 150 manifestantes invadiram a sede da associação. “Eles adentraram o prédio a Acipi, picharam paredes internas e externas, quebraram um portão, rasgaram uma bandeira do Brasil e jogaram bombas caseira, pra mim é um bando de vândalos”, disse.

Ainda de acordo com Checoli, um segurança da entidade reconheceu dois dos manifestantes. A associação entregou para a Polícia Civil imagens do circuito interno de segurança do prédio para que possa ser feita a identificação dos manifestantes que entraram no prédio.

A Acipi diz que respeita o direito a livre manifestação, mas que não irá tolerar atos de vandalismos e que tomará todas as medidas legais possíveis para que ocorra a punição dos envolvidos no episódio.

O protesto

O protesto deste sábado teve inicio às 11h em frente ao Terminal Central de Integração (TCI), uma hora depois os manifestantes seguiram em caminhada pelo centro de Piracicaba. A manifestação travou o trânsito na Rua Governador Pedro de Toledo, irritando motoristas que buzinavam e gritavam. Em resposta, os manifestantes gritavam e cantavam frases como “Não tem arrego! Você tira meu direito e eu tiro seu sossego!”, se referindo ao presidente Michel Temer.

Um estudante de 16 anos, que participava do protesto, explicou que a manifestação é contra o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef. “Eu entendo que a Dilma não é a melhor solução, mas o Temer muito menos”, disse.

Com gritos e palavras de ordem contra a Polícia Militar (PM), os manifestantes lembraram o caso da menina de 19 anos que perdeu a visão do olho esquerdo após ser atingida por estilhaços de bombas da polícia em São Paulo na útlima quarta-feira (31).

A produtora de moda, Karina Bonassi, de 28 anos que acompanhava a manifestação da calçada diz que apoia todo tipo de protesto, mas não acha correto as críticas a PM “Eu acho que toda manifestação é válida, desde que ela seja organizada e que todos os lados sejam ouvidos, mas falar que a polícia não presta é generalizar, não são todos que não prestam. Eu achei bem feito que ela perdeu a visão, não porque eu sou ruim”, opinou.

O protesto se encerrou por volta das 14 horas e nem a Polícia Militar e nem os organizadores da manifestação divulgaram números sobre a quantidade de partcipantes.

Júnior Trindade – Latino News Brasil

logo face latino

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar