Brasil só teve neve em maio duas vezes nos últimos 61 anos

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
frio serra sc

O ano de 2022 foi apenas o terceiro, desde 1961, que o Brasil viu neve ainda em maio, segundo a série histórica do Inmet. O fenômeno aconteceu na última terça-feira, em seis cidades de Santa Catarina e duas do Rio Grande do Sul, faltando 35 dias para o inverno.

Antes disso, a cidade de São Joaquim (SC) registro neve em maio nos dias 06 de 2003, em 25 de 2003, em 23 de 2007 e em 30 de 2007, quando Bom Jesus (RS) também registrou o fenômeno. O mesmo aconteceu em Cambará do Sul (RS) em 08 de 2003 e em 23 de 2007.

O fenômeno aconteceu na última terça-feira, em seis cidades de Santa Catarina e duas do Rio Grande do Sul (Estadão Conteúdo/MARILIA SUTIL/FUTURA PRESS)

O fenômeno aconteceu na última terça-feira, em seis cidades de Santa Catarina e duas do Rio Grande do Sul (Estadão Conteúdo/MARILIA SUTIL/FUTURA PRESS)

Nesta terça-feira, foi registrada a temperatura mais baixa do Brasil em 2022 em Bom Jardim da Serra (SC). A cidade sofreu com neve e chuva congelada e marcou – 2,4°C na madrugada. Mais cinco cidades de Santa Catarina tiveram neve: Lages, São Joaquim, Urubici, Urupema e Rio Rufino.

O Rio Grande do Sul também registrou neve pela primeira vez no ano, no mesmo dia, em Cambará do Sul e São José dos Ausentes, onde os termômetros marcaram 2°C.

— É uma massa polar forte, mesmo para os padrões deste mês. Foi causada por uma tempestade subtropical, que aprisionou esse ar gelado no interior do Brasil. Enquanto esse ciclone não se afastar completamente, o ar gelado seguirá com dificuldade para escoar para o oceano — explica Josélia Pegorim, do Climatempo.

O ar polar se juntou ao La Niña, que tem reduzido as temperaturas do Oceano Pacífico desde o fim do ano, segundo o coordenador do Laboratório de Climatologia Geográfica da UnB, Rafael Franca:

— Não significa que (esse frio histórico) não possa se repetir, mas se revelou um evento único, de poucos precedentes.

A onda de frio agravou a situação das cerca de 31 mil pessoas desabrigadas na cidade de São Paulo. Desde o começo do mês, houve 94 casos de hipotermia atendidos em unidades de pronto atendimento. Pelo menos três pessoas morreram.

Na quarta-feira, Isaías Faria, de 66 anos, morreu enquanto esperava em uma fila de distribuição de alimentos em São Paulo, depois de passar a noite na rua. No mesmo dia, um homem sem documentos e sem camisa foi encontrado congelado na beira de um córrego, no bairro Orleans, em Curitiba. Em Mauá, no interior de São Paulo, um homem morreu depois de recusar ajuda de uma equipe da prefeitura quando estava em uma calçada, com sinais de embriaguez. Ele foi achado do outro lado da mesma avenida horas depois.

Na capital paulista, o número de atendimentos de pessoas com frio e desabrigadas chegou a 2 mil ao longo de terça e quarta, segundo a prefeitura. De 30 de abril e 18 de maio, foram 16,6 mil atendimentos. A secretária de Direitos Humanos e Cidadania da prefeitura , Soninha Francine, disse que a movimentação para acolher a população de rua foi recorde.

— Nunca houve dez tendas de atendimento montadas ao mesmo tempo. Na onda de frio mais forte e inesperada no ano passado, foram cinco postos. Só na Praça da Sé, foram entregues 900 sopas na terça-feira — afirmou Soninha.

Moradores de rua, segundo o G1, reclamaram que os cobertores distribuídos nas tendas são muito finos. Soninha disse que determinou a distribuição de mais de um para cada sem-teto.

De acordo com o Inmet, São Paulo teve a menor temperatura (5,4°C) em um dia de maio desde 1990. Belo Horizonte viveu a manhã mais fria desde 1979. Os valores de 4,4°C em Cercadinho e 6,7°C na Pampulha ficam atrás apenas dos 3,1°C de 1º de junho de 1979. Brasília teve temperatura de 1,4°C no Gama, a menor desde 1963.

Goiânia registrou a mínima de 5,6 °C. Cuiabá teve 10,2 ºC, a menor temperatura em um dia do mês de maio desde 2010.

Fonte: Agência O Globo

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar