Fidel Castro critica o discurso de Barack Obama e diz que Cuba não necessita que “o império” lhe presenteie com nada

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

MUNDO

Postado em 28 de março de 2016

G1

O ex-presidente cubano Fidel Castro afirmou nesta segunda-feira (28) que Cuba não necessita que “o império” lhe presenteie com nada e que o povo deste “nobre e abnegado país” não renunciará “à glória, aos direitos e à riqueza espiritual que ganhou com o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura”.

“Não necessitamos que o império nos presenteie com nada. Nossos esforços serão legais e pacíficos, porque é nosso compromisso com a paz e a fraternidade de todos os seres humanos que vivem neste planeta”, precisou Castro em artigo publicado nesta segunda-feira nos veículos de imprensa oficiais da ilha intitulado “Irmão Obama”.

O antigo líder cubano, de 89 anos e retirado do poder em 2006, analisa em sua “reflexão” o discurso que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, feito na terça-feira (22) ao povo cubano durante sua visita à ilha, a primeira de um líder americano à Cuba revolucionária.

“Somos capazes de produzir os alimentos e as riquezas materiais que necessitamos com o esforço e a inteligência de nosso povo”, ressaltou o líder da Revolução cubana em sua primeira reação à visita de Obama a Cuba.

O artigo do ex-presidente, entre os conhecidos como “reflexões de Fidel”, datado às 22h27 de 27 de março, foi divulgado nesta manhã nos meios de comunicação oficiais da ilha e nele debulha aspectos das palavras de Obama na terça-feira desde o Grande Teatro de Havana.

Sobre as declarações de Obama a favor de “esquecer o passado e olhar para o futuro”, Fidel Castro considera que utilizou as “palavras mais açucaradas” e afirma que os cubanos correram “o risco de um infarto” ao escutar o presidente dos Estados Unidos falar de cubanos e americanos como “amigos, família e vizinhos”.

“Após um bloqueio impiedoso que durou quase 60 anos e diante dos que morreram nos ataques mercenários a embarcações e portos cubanos, além de invasões mercenárias, múltiplos atos de violência e de força?”, questiona Fidel.

Segundo ele, “um dilúvio de conceitos inteiramente inovadores” entraram na mente dos cubanos que o escutavam quando este afirmou que sua visita a Cuba tinha o propósito deixar para trás a Guerra Fria nas Américas e de estender uma “mão de amizade” ao povo cubano.

Castro lembra a Invasão de Baía dos Porcos, quando em 1961 “uma força mercenária com canhões e infantaria blindada, equipada com aviões, foi treinada e acompanhada por navios de guerra e porta-aviões dos Estados Unidos, atacando de surpresa nosso país”.

“Nada poderá justificar aquele ataque que custou a nosso país centenas de baixas entre mortos e feridos”, rememora Fidel Castro, sobre aquele acontecimento que aprofundou a divisão entre EUA e a Cuba Revolucionária.

Fidel Castro também criticou que nas a declarações de Obama sobre a origem mestiça tanto de Cuba como dos EUA, não mencionou que “a discriminação racial foi varrida pela Revolução”, que aprovou “a aposentadoria e o salário de todos os cubanos” antes que do presidente americano “completar dez anos”.

“O odiosa costume burguês e racista de contratar aguazís para que os cidadãos negros fossem expulsos de centros de recriação foi varrida pela Revolução Cubana”, afirma Castro, que lembrou que a solidariedade cubana também livrou essa luta contra o racismo em Angola e outros povos da África.

 Neto Lira – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar