Máscaras contra coronavírus viram acessórios de alta costura

Máscaras contra coronavírus viram acessórios de alta costura

42
Compartilhar

Tocando de Primeira

O primeiro alerta para o coronavírus se deu em 31 de dezembro de 2019, depois que autoridades chinesas notificaram casos de uma misteriosa pneumonia na cidade de Wuhan. Em 9 de janeiro de 2020, na China, um homem de 61 anos foi a primeira vítima fatal da doença. Desde então, máscaras cirúrgicas vendidas em farmácias se tornaram um acessório caro e escasso em todo o mundo. Prevendo a alta demanda por este item, marcas de luxo resolveram lançar seus próprios modelos.

O designer e diretor criativo da Off-White e Louis Vuitton, Virgil Abloh, é um dos responsáveis pela criação dessas peças. A Fendi também lançou seus próprios designs com o monograma da marca em veludo preto. Mas a estilista Marine Serre foi além e na última quarta-feira (26), lançou suas máscaras diretamente da passarela da Semana de Moda de Paris.

Máscaras contra o coronavírus no mundo da moda

Tocando de Primeira

Depois que a Itália relatou o primeiro grande surto de coronavírus na Europa, o designer Giorgio Armani cancelou os convites para o seu desfile de outono/inverno 2020/2021, que aconteceu a portas fechadas no vazio Teatro Armani, em Milão, e foi transmitido ao vivo pelo Instagram e pelo site da marca italiana.

Já na Semana de Moda de Paris, que iniciou no dia 25/02 e vai até o dia 03/03, os estilistas até agora não adotaram a mesma medida. No entanto, cautelas estão sendo tomadas: na apresentação da marca francesa Lanvin, os convidados, os modelos e os funcionários receberam máscaras faciais descartáveis nos bastidores, o designer belga Dries Van Noten também recebeu seus expectadores com máscaras e álcool para as mãos.

Já a designer francesa Marine Serre provou que a peça protetora pode ser elegante e útil ao mesmo tempo. Em sua coleção para a temporada de outono/inverno, ela colocou em sua passarela modelos com máscaras que combinavam com os looks exibidos.

Esta não foi a primeira vez que a designer exibiu o equipamento cirúrgico estilizado: em sua coleção primavera/verão do outono passado (2019), ela apresentou modelos semelhantes – considerando a mudança climática, que tem sido um dos principais tópicos de seu trabalho desde a sua estreia da passarela em 2018. Com isso, Serre também estava estrategicamente abordando o mercado asiático, onde o uso desta proteção, também devido à poluição do ar, está presente há muito tempo.

Os acessórios da estilista foram equipados com uma tecnologia de filtragem da empresa francesa R-PUR, que supostamente filtra 99,98% do ar ambiente. Além do dióxido de nitrogênio e das partículas, segundo o fabricante, isso também deve impedir a inalação de bactérias, pólen e vírus.

Fonte: Mega curioso

Tocando de Primeira