Sobe para 26 número de mortos em ataque a tiros na Tailândia

Sobe para 26 número de mortos em ataque a tiros na Tailândia

31
Compartilhar

Tocando de Primeira

Autoridades subiram para 26 o número de mortos em um ataque de um soldado na Tailândia, que deixou 57 pessoas feridas no que está sendo considerado um dos piores ataques do país. O soldado, irritado com uma disputa econômica, matou duas pessoas em uma base militar no sábado, 8, antes de sair de carro disparando enquanto dirigia para um movimentado shopping center de onde os clientes fugiam aterrorizados. Os atiradores da polícia levaram 16 horas para acabar com a crise. As autoridades identificaram o agressor como o sargento Jakrapanth Thomma.

O tiroteio ocorreu em Nakhon Ratchasima, o centro urbano de uma região rural tailandesa relativamente pobre que fica a a cerca de 250 km da capital Bangcoc. Grande parte dos tiros aconteceu no shopping Korat do Terminal 21, decorado como um aeroporto e com esculturas coloridas de Lego, um carrossel e imensas réplicas de locais icônicos em todo o mundo.

Tocando de Primeira

O primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha deu o número final de vítimas na manhã de domingo, depois de visitar os feridos nos hospitais. Dos 57 feridos, 25 receberam alta.

Vídeos gravados do lado de fora do shopping mostraram pessoas se refugiando no sábado à tarde no meio das filmagens. Muitos foram mortos a tiros fora do shopping, alguns em veículos e outros nas calçadas.

Nattaya Nganiem e sua família terminaram de comer pouco antes e estavam se afastando do prédio em seu veículo no momento em que ouviu os tiros. “Primeiro vi uma mulher correndo histericamente do shopping”, disse Nattaya, que gravou cenas do local com seu telefone celular. “Então um motociclista na frente dela saiu correndo e deixou sua moto lá”. Centenas de pessoas foram evacuadas do shopping em pequenos grupos pela polícia durante a busca do agressor. “Sentimos muito medo e corremos para nos esconder nos banheiros”, disse Sumana Jeerawattanasuk, uma das pessoas resgatadas pela polícia. A mulher acrescentou que sete ou oito pessoas se escondiam no mesmo lugar que ela.

Pouco antes da meia-noite, a polícia anunciou que havia garantido parte do shopping, mas que os agentes ainda estavam procurando o agressor. Cerca de 16 horas depois, as autoridades convocaram uma coletiva de imprensa para anunciar que o agressor havia sido morto a tiros.

A primeira pessoa morta foi o comandante do 22º Batalhão de Munições, do qual o agressor também fazia parte, disse o porta-voz do Ministério da Defesa de Kongcheep. O agressor disparou contra outros na base e pegou armas e munições antes de fugir em um veículo militar.

O homem também postou atualizações em sua página do Facebook durante as filmagens, com mensagens como “Ninguém pode escapar da morte” e “Devo desistir?” Em um post posterior, ele escreveu: “Eu já parei”.

Em uma foto que circulou nas redes sociais e que parecia ter sido tirada de sua página no Facebook, o suspeito pode ser visto usando um capacete militar camuflado verde, enquanto no fundo uma bola de fogo e fumaça preta são observadas. Sua foto de perfil mostra-o com uma máscara, vestindo um uniforme de estilo militar e armado com uma arma. A imagem de fundo é de uma arma e balas.

Em suas redes, ele teria compartilhado em tempo real vídeos e fotos durante o tiroteio, comentando em um deles: “Estou cansado de apertar o gatilho”.

Nas redes sociais, circulam imagens de pânico em um shopping enquanto é possível ver a polícia cercando o entorno do local e outras pessoas correndo com barulho de tiros ao fundo.

A Tailândia é um dos países com maior percentual de pessoas com posse de armas do mundo, mas esse tipo de incidente, cometido por militares contra civis, é muito raro.

Fonte: Terra

Tocando de Primeira