EUA e China assinam acordo após 2 anos de guerra comercial

EUA e China assinam acordo após 2 anos de guerra comercial

127
Compartilhar

Tocando de Primeira

Houve fortes brigas, impasses tensos e promessas de “cessar-fogo”, mas agora os Estados Unidos e a China estão finalmente assinando um acordo comercial.

Independentemente do resultado, a guerra comercial teve importante papel na reconfiguração do relacionamento entre a China e os EUA, além dos impactos na economia global.

Tocando de Primeira

Afinal, o que mudou durante quase dois anos de negociações comerciais, que foram uma montanha-russa para os dois países?

Déficit comercial diminui

O presidente dos EUA, Donald Trump, acreditava que travar uma guerra tarifária poderia diminuir o déficit comercial do país com a China.

E sim, o déficit comercial dos EUA em bens caiu desde o início da guerra comercial, mas permanece alto.

Nos 12 meses até novembro de 2019, o déficit diminuiu em US$ 60 bilhões em relação ao ano anterior e ficou em cerca de US$ 360 bilhões.

Mas reduzir esse déficit teve um custo: o comércio bilateral deu um grande passo atrás, encolhendo mais de US$ 100 bilhões.

Exportações agrícolas dos EUA para a China caem

A China retaliou as tarifas impostas por Trump e os agricultores americanos foram os que mais sofreram.

Duro golpe na economia da China, dos EUA e do mundo

Projeções apontam que os EUA não devem atingir sua meta de crescimento econômico de 3%, em parte devido à guerra comercial com a China. Analistas dizem que pode levar anos para que o impacto da imposição de tarifas se mostre totalmente.

O crescimento da China também está desacelerando. O Banco Mundial prevê que a economia chinesa cresça menos de 6% em 2020, o que seria o ritmo mais lento em quase três décadas.

A guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo inevitavelmente prejudica toda a economia global. “Todo mundo perde em uma guerra comercial”, comentou a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva.

Além da China, os EUA estão atualmente negociando com outros parceiros comerciais para reformular seus acordos comerciais. Dadas as consequências desses conflitos, o FMI rebaixou recentemente suas expectativas de crescimento global em 2019 para 3%, menor índice desde a crise financeira de 2008.

Rivalidade tecnológica

Apesar de um acordo comercial, os riscos de “dissociação” tecnológica entre Pequim e Washington são altos.

Washington colocou a empresa chinesa de telecomunicações Huawei e dezenas de outras empresas chinesas em uma “lista de restrições”, impedindo as empresas americanas de fazer negócios com elas.

Pequim criou uma lista semelhante em retaliação. Há indicativos de que os EUA continuarão investigando as empresas chinesas com presença nos Estados Unidos.

O especialista em geotecnologia Paul Triolo disse à BBC que a primeira fase do acordo comercial pode parar temporariamente a piora da tensão bilateral, mas é improvável que acabe com a rivalidade e desconfiança tecnológica dos dois gigantes.

Fonte: Terra

Tocando de Primeira