35 Anos sem John Lennon. 08 de Dezembro de 1980 Lennon era assassinado por fã em Nova York

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

images

Nova York – A tragédia aconteceu no dia 8 de dezembro de 1980, na porta do Dakota, edifício do século XIX em frente ao Central Park que também ficou conhecido como casa do diabo, desde que serviu de cenário para o filme de terror “O bebê de Rosemary”, de Roman Polanski. Ao voltar do estúdio onde John Lennon acabara de gravar “Walking on thin ice”, uma canção de sua mulher Yoko Ono, a limusine do casal estacionou. O cantor e compositor dos Beatles, banda à qual ele imprimiu seu estilo rebelde e iconoclasta, caminhou em direção ao pátio interno. Antes de alcançá-lo, foi alvejado, pelas costas, por cinco tiros de calibre 38, que atingiram braço, peito, ombro e cabeça (uma das balas alojou-se em seu casaco).

0c7a10811ab4cfc707ed09353dd8dd52

Os disparos à queima-roupa foram feitos por Mark David Chapman, 25 anos, que horas antes havia pedido um autógrafo do ídolo na capa do álbum “Double fantasy”. O ato de distribuir assinaturas aos fãs era normal para Lennon, que chegou a ser fotografado, pelo fã Paul Goresh, com o homem que viria a matá-lo. Aos 40, Lennon estava feliz por lançar o primeiro disco depois de cinco anos sem gravar, e esperava atingir o primeiro lugar nas paradas. Desejo concretizado, mas nunca testemunhado por ele. O sonho da geração dos anos 60, da paz e do amor, acabara para seu porta-voz mais constante.

Chapman jogou a arma no chão e não ofereceu resistência quando a polícia o prendeu, minutos depois, com o livro “O apanhador no campo de centeio”, de J.D. Salinger, e US$ 2.500 no bolso. Mais tarde, revelaria que matara o ídolo de adolescência obedecendo a vozes que lhe ordenavam o crime. A polícia socorreu o cantor, cujas últimas palavras teriam sido: “Eu sou John Lennon”. Apesar dos esforços do médico que o atendeu, Lennon já chegou morto ao Roosevelt Hospital.

john-lennon3

Embora fosse considerado pelos psiquiatras uma vítima de graves distúrbios mentais, o assassino de Lennon foi condenado a 20 anos de confinamento, posteriormente transformados em prisão perpétua. Na prisão de Attica, estado de Nova York, é mantido em solitária, menos por sua periculosidade do que pelo risco de atentados à sua vida.

 
Amadeu Maya Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar