Universidades públicas continuam gratuitas, diz Mendonça Filho

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

EDUCAÇÃO

Postado em 18 de maio de 2016

Da EBC

“As universidades públicas continuam gratuitas. Qualquer informação diferente é falsa”, afirmou hoje (18) o ministro da Educação e Cultura, Mendonça Filho, em nota enviada à imprensa.

O comunicado foi feito após repercussão sobre a proposta de emenda à Constituição (PEC) em tramitação no Congresso Nacional para regulamentar a cobrança em cursos de extensão, especialização e pós-graduação lato sensu em universidades públicas.

A PEC 395/2014, que ainda deverá ser votada em segundo turno na Câmara dos Deputados, determina que o ensino público superior de graduação e de pós-graduação acadêmica (mestrados e doutorados) continue gratuito, mas as instituições poderão cobrar pelos cursos de extensão e de pós-graduação lato sensu, ou seja, as especializações.

A proposta não obriga a cobrança. Dessa forma, a universidade decidirá se deseja ou não cobrar pelos cursos. Enquanto deputado, Mendonça Filho defendeu a medida na Câmara.

Segundo o MEC, a cobrança é pratica em instituições de ensino como as universidades de São Paulo (USP), Estadual de Campinas (Unicamp), Federal de Pernambuco (UFPE) e do Rio Grande do Sul. A pasta destacou que as universidades continuarão públicas em seus cursos de graduação e na pós-graduação acadêmica.

A possibilidade de cobrança nas especializações também foi defendida pelo ex-ministro Aloizio Mercadante, como forma de arrecadar mais recursos para o ensino superior. Mercadante defendia a criação de um fundo de contribuição de ex-alunos de universidades públicas.

“O aluno sai e, se depois teve êxito, se é de uma família que tem posses, por que ele não pode contribuir para a universidade em que ele estudou de graça?”, afirmou durante entrevista à Agência Brasil.

Outros projetos

Além da PEC 395/2014, tramita no Senado Federal o Projeto de Lei do Senado (PLS) 782/2015, que dispõe sobre pagamento de anuidade em instituições públicas de ensino superior por estudantes cuja renda familiar seja, comprovadamente, superior a 30 salários mínimos. Eles deverão pagar um valor correspondente à média do custo por aluno matriculado no mesmo curso.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) se posicionaram contra as cobranças. As entidades defendem a gratuidade e a qualidade da educação pública em todos os níveis.

Júnior Trindade – Latino News Brasil

logo face latino

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar