Economia vê espaço de R$ 4,8 bilhões no Orçamento e poderá desafogar ministérios