Arrecadação federal tem menor resultado para meses de maio desde 2010

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

ECONOMIA

Postado em 17 de junho de 2016

Da Agência Brasil

A queda da atividade econômica e as desonerações fizeram a arrecadação federal cair pelo 14º mês consecutivo. Em maio, o governo arrecadou R$ 95,219 bilhões, 4,81% a menos que no mesmo mês de 2015, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O montante é o menor para o mês desde 2010 em valores corrigidos pela inflação.

Nos cinco primeiros meses do ano, a arrecadação federal somou R$ 519,128 bilhões, também o menor valor para o período desde 2010, ao descontar o IPCA. Em relação a 2015, a queda real (descontada a inflação) chega a 7,36%.

Segundo a Receita Federal, que divulgou os números, a retração da economia continua a ser a principal responsável pela queda na arrecadação. A produção industrial acumula queda de 10,79% nos cinco primeiros meses do ano, o que se reflete na queda real (descontado o IPCA) de 14,66% na arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) cobrado sobre produtos nacionais de janeiro a maio.

Por causa do recuo de 9,73% na venda de bens, a arrecadação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) acumula queda real de 6,66% nos cinco primeiros meses do ano. Por incidirem sobre o faturamento das empresas, esses tributos refletem o comportamento do consumo.

A queda do lucro das empresas fez a arrecadação de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) acumular retração real de 5,75% de janeiro a maio. O recuo de 31,1% no valor em dólar das importações fez a arrecadação do Imposto de Importação (II) e do IPI de produtos importados cair 25,22% em 2016, descontada a inflação oficial.

Por causa do crescimento de 4,88% na massa salarial, menor que a inflação acumulada de 9,28% nos últimos 12 meses, a arrecadação de receita previdenciária acumula queda real de 5,43% de janeiro a maio. Considerando a inflação, a arrecadação da Previdência Social caiu R$ 8,785 bilhões nos cinco primeiros meses do ano, a maior retração em valores absolutos entre os tributos federais.

As desonerações para estimular o consumo em vigor nos últimos anos continuam a causar impacto sobre os cofres federais. De janeiro a maio, a União deixou de arrecadar R$ 37,748 bilhões com reduções e isenções de tributos. A perda de receitas é inferior aos R$ 46,911 bilhões registrados no mesmo período do ano passado. Isso ocorre porque parte dos incentivos fiscais foi revertida ao longo de 2015, como a desoneração da folha de pagamento, e tributos voltaram a ser cobrados, como a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), que incide sobre os combustíveis.

Júnior Trindade – Latino News Brasil

logo face latino

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar