Operação Sítio Histórico: Olinda inicia preparação para o carnaval

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

CARNAVAL

Postado em 03 de dezembro de 2015

Do Diário PE

Mesmo ainda em dezembro, a cidade histórica de Olinda já se prepara para o carnaval. A partir deste domingo o efetivo de segurança nas ladeiras da cidade deve aumentar de 55 policiais (presentes no último final de semana) para 120 (das 14h às 22h). Iniciada no domingo passado, a Operação Sítio Histórico envolve o trabalho de várias secretarias municipais, além da Polícia Militar, com o objetivo de garantir a segurança dos moradores, comerciantes e do já alto número de visitantes que se preparam para o carnaval. Entre as ações estão também a fiscalização mais rígida de estacionamento em locais proibidos e na proibição do uso de garrafas de vidro.

Segundo o secretário de Planejamento e Controle Urbano de Olinda, Estevão Britto, a operação é motivada pelo aumento no volume de visitantes, atraídos pelo início das festividades fora de época. “O carnaval é apenas em fevereiro, mas em Olinda começamos sempre seis meses antes”, explica o secretário sobre as medidas que, desde setembro são discutidas em reuniões semanais e que envolvem representantes do poder público e membros da sociedade civil de Olinda.

Durante as reuniões, que seguem até o carnaval, os representantes monitoram falhas e soluções na segurança e mobilidade na área. “Discutimos o número de policiais necessário para dar conta do Sítio Histórico, assim como, por exemplo, as ruas que precisam ser iluminadas ou as melhores ações para facilitar a mobilidade”, aponta Estevão.

Garrafas de vidro proibidas
A partir desta sexta-feira a prefeitura de Olinda inicia uma ação educativa para orientar bares e vendedores ambulantes sobre a importância de vender bebidas apenas em copos, embalagens de plástico ou latas. Durante os finais de semana, os transeuntes que portarem embalagens de vidro deverão trocá-las por vasilhames plásticos fornecidos pela própria prefeitura, em um posto de troca localizado na praça do Carmo.

Insegurança fora dos polos

Mas, se as medidas de segurança prometem a diminuição da violência até o carnaval, por enquanto elas ainda não convencem a todos. O estudante Lucas Adelino, que integra o grupo percussivo Batadoní, ressalta o risco de um policiamento concentrado apenas nos polos. “Quando se aproxima do carnaval, eu sempre percebo um aumento no policiamento, mas não me sinto necessariamente seguro. Existe uma concentração de policiais nos pontos como a Praça do Carmo e os Quatro Cantos, mas para ir de um ponto a outro a insegurança que eu sinto é a mesma”, critica o percussionista, que se reúne com o Batadoni no Sítio Histórico durante todo o ano.

Neto Lira – Latino News Brasil

Gostou! Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram

TOP RELACIONADOS

Você também pode gostar