Violência gera prejuízo de R$ 150 milhões ao turismo no Rio

Violência gera prejuízo de R$ 150 milhões ao turismo no Rio

37
Compartilhar

Tocando de Primeira

A violência que assusta os cariocas, também espanta os turistas da cidade. No ano passado, o Rio deixou de faturar cerca de R$ 150 milhões por causa da criminalidade, segundo um estudo da Confederação Nacional do Comércio. Os números ainda revelaram que a violência na cidade também reduziu a geração de emprego.

De acordo com o levantamento, um terço dos prejuízos no comércio e no turismo foram causados pela violência. No ano passado, com a crise econômica o prejuízo foi estimado em R$ 500 milhões. E em 2017, esse número foi ainda maior chegando a R$ 657 milhões.

Tocando de Primeira

A guia de turismo Tatiana Elfimova, que trabalha no Rio com clientes vindos da Rússia, têm sentido bastante isso.

“A violência atrapalha muito o turismo. Todo mundo que chega já tem muito medo. Eles ficam no hotel, têm medo de sair”, disse a guia turística.

Para o economista da CNC Fábio Bentes, responsável por esse levantamento, a intervenção federal na área da segurança pública trouxe um certo de alívio para o setor, porque as pessoas se sentiram um pouco mais seguras com os números dos crimes de rua sofrendo redução no ano passado.

“Poucas atividades são tão expostas aos prejuízos da violência quanto o turismo. Por uma razão muito simples: o aumento da violência espanta a fonte de receita do setor, que é o turista. No caso do Rio de Janeiro, é um setor muito importante, que responde por aproximadamente 9% da economia do estado. Então, esse setor apresentando dificuldade em se recuperar por conta dos resquícios ainda da crise econômica e da violência elevada cria um círculo vicioso negativo”, disse Bentes.

Mas apesar da melhora, a situação ainda é preocupante. “A gente percebe que o prejuízo do setor decorrente da violência ainda corrói 30% das receitas do turismo no estado”, frisou o economista.

Ninguém inclui na lista de passeios ao Rio a Delegacia de Apoio ao Turismo (Deat). Mas em janeiro deste ano, para um grupo de 40 turistas o passeio terminou justamente lá. Pelo menos três criminosos fizeram um arrastão em uma trilha entre o Parque Lage e o Cristo Redentor, levando máquinas fotográficas, carteiras e celulares dos turistas.

Poderia ser muito melhor. Mas só mesmo o Rio de Janeiro e suas belezas para atrair tanta gente diante de um cenário que não gera confiança. “Todo mundo fala que tem bastante violência. Só que não vi nada”, disse uma turista.

Fonte: G1

Tocando de Primeira