Biofábricas representam vitória da tecnologia.

Biofábricas representam vitória da tecnologia.

30
Compartilhar

Tocando de Primeira

Biofábricas começam a chegar na roça. Inauguram uma nova era tecnológica no agro brasileiro: a da utilização de organismos vivos na batalha da produtividade rural.

A grande novidade não reside, propriamente, na descoberta agronômica dos agentes biologícos . As biofábricas representam um passo além do conhecimento científico e da experimentação. Significam a vitória da tecnologia, a prática que deixou as startups para chegar ao campo com escala industrial de produção.

Tocando de Primeira

Existem várias finalidades, com distintos modelos, de biofábricas relacionadas com a agricultura. Um deles utiliza espécies animais, ou vegetais, para produzir moléculas de elevado interesse na medicina: os biofármacos.

Um exemplo brasileiro é o da cianovirina, uma proteína extraída de alga marinha (Nostoc ellipsosporum) que auxilia no combate ao vírus HIV. Pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia desenvolveram sementes de soja, geneticamente modificadas, capazes de sintetizar, em larga escala, tal medicamento humano. Incrível.

Outro modelo de biofábrica trabalha na multiplicação, via clonagem, de mudas de plantas isentas de viroses ou certas doenças congênitas. Laboratórios desse tipo se destacam em viveiros de produção de banana e cana-de-açúcar, mas também em batata, eucalipto e na floricultura.

Criatórios de espécies úteis de microorganismos (fungos e bactérias) e insetos formam uma terceira categoria de biofábricas. Nestas, promove-se a difusão, em larga escala, de muitos organismos vivos já utilizados, há décadas, no controle de pragas no país.

Exemplos não faltam. Na cultura da cana-de-açúcar, o controle biológico da broca (Diatraea saccharalis) através da ação parasitária de uma vespa (Cotesia flavipes) se iniciou, em São Paulo, na década de 70. Hoje essa ferramenta viva se aplica em 90% dos canaviais do país.

Um fungo (Metarhizium anisopliae) é excelente inimigo natural da terrível cigarrinha das pastagens (Deois flavopicta), pois coloniza, e mata, suas ninfas. Outro fungo (Metarhizium anisopliae) ataca a cigarrinha de cana.

Uma bactéria (Bacillus thuringiensis) teve seu potencial inseticida descoberto, na Alemanha, há mais de século. Desde então, macerados desse microrganismo passaram a ser pulverizados nas lavouras, em todo o mundo, para o controle de lagartas. Estas, ao se alimentarem das folhas, falecem por infecção.

Nematoides são minúsculos vermes de solo que atacam as raízes das plantas cultivadas, reduzindo-lhes a produtividade. Na soja seus prejuízos são estimados em R$ 16,2 bilhões. Descobrem-se agora métodos eficientes de controle biológico dessas “minhoquinhas”.

Bioativação do solo é outra linha de pesquisa biológica que começa a sair dos laboratórios para o campo. Além da conhecida fertilidade trazida pela matéria orgânica (o humus), a inoculação com fungos e bactérias, acompanhados geralmente por enzimas, provocam benefícios à biodiversidade invisível. As raízes das plantas agradecem.

Poucos sabem, mas a sojicultura nacional está assentada em uma ferramenta biológica –a inoculação das sementes pela bactéria Bradyrhizobium– capaz de dispensar a lavoura da adubação química com nitrogênio. Por ser uma leguminosa, suas raízes, auxiliadas biologicamente, fixam nitrogênio do ar. É sensacional.

Grandes empresas rurais já começaram a instalar unidades de produção próprias desses organismos vivos. Eu conheci uma delas que está sendo instalada na fazenda Formoso, pertencente ao grupo Novo Futuro.

Localizada no município de Campo Verde (MT), essa biofábrica entrará em operação total na próxima safra. De suas autoclaves sairão toneladas de fungos e bactérias destinados ao controle fitossanitário das lavouras. Ou a melhorar a qualidade orgânica dos solos cultivados.

Orgânicos e químicos são sinérgicos. Não se vislumbra que os insumos biológicos venham a substituir o uso dos produtos químicos utilizados na proteção de plantas. Serão ferramentas complementares na garantia da produtividade rural. Sustentabilidade no solo.

Como percebem, nem somente de “agrotóxicos” vive o agro nacional. As tecnologias biológicas avançam decisivamente, e silenciosamente, em meio a esse tiroteio estúpido contra a moderna agronomia provocado pelos ecologistas urbanoides.

Nós venceremos essa guerra contra a desinformação. Nós, a ciência.

Fonte: Poder 360

Tocando de Primeira