Stronsay: conheça a ilha europeia desesperada para receber turistas

Stronsay: conheça a ilha europeia desesperada para receber turistas

26
Compartilhar

Ao contrário de outros destinos europeus que querem barrar visitantes, a ilha Stronsay, na Escócia, lançou uma campanha para incentivar turismo.

Foto: Turismo IG

Não é incomum começar o ano novo com um desejo de abandonar seu emprego, deixar as responsabilidades e fugir para uma ilha pequena e isolada para começar uma vida nova. Se você fizer parte desse grupo de pessoas, talvez seja a hora de considerar uma mudança para a pequena ilha Stronsay, na Escócia, que tem uma população de apenas 370 habitantes e está com uma campanha para atrair visitantes – e futuros moradores. As informações são do “The Guardian”.

A ilha chama atenção por causa do onda anti-turismo que marcou a Europa em 2017, quando muitos destinos, incluindo Veneza, Barcelona e a ilha escocesa de Skye se queixaram do turismo excessivo.

Com as campanhas “Visit Orkney” and “Visit Scotland”, Stronsay, conhecida por belas falésias, cavernas do mar e praias de areia branca, está se divulgando como um mundo longe do estilo de vida da cidade grande, onde os moradores “mantêm uma comunidade com uma vida social e cultural rica sustentada por um senso de lugar, liberdade e auto-suficiência com o qual muitos habitantes da cidade, frustrados com o ritmo frenético da vida moderna, só podem sonhar”.

O turismo na ilha

Com a campanha, Stronsay espera poder duplicar o número de turistas nos próximos três a cinco anos. Atualmente, o local atrai 600 visitantes por ano, que chegam de barco ou avião, saindo da cidade de Kirkwall. Entre as atrações estão o arco natural de rochas e as falésias de Odin Bay.

Dianne Riley-Moore, membro do grupo da comunidade criador da campanha, saiu de Londres há sete anos para viver em Stronsay, onde abriu um centro de artesanato. “Esperamos que, ao aumentar o turismo, possamos criar empregos adicionais que trarão mais moradores, sejam aposentados ou famílias jovens”, diz ela.

“Temos uma escola pequena, brilhantemente equipada e dotada de recursos, um sistema de saúde fantástico e um ambiente seguro e sem crime”, afirma ainda Dianne, que diz que a ilha é um lugar verdadeiramente único para viver. “A comunidade é ativa e amigável, mas todos têm a liberdade de serem tão envolvidos ou tão solitários quanto desejam”.

Fonte: IG