Conheça uma alternativa para pagar menos na conta de luz

Conheça uma alternativa para pagar menos na conta de luz

31
Compartilhar

Tocando de Primeira

Desde o dia 15 de março a tarifa de energia elétrica ficou mais cara no Rio de Janeiro. Mas os cariocas – todos os brasileiros – têm uma alternativa para pagar menos!

Você conhece a tarifa branca?

Trata-se de uma opção de tarifa de energia elétrica válida para todo o país desde 2018. É mais barata do que a tarifa convencional em determinados horários do dia, que costumam ser de menor consumo. Por outro lado, é mais cara nos horários de maior consumo. Diferente da tarifa branca, a tarifa convencional tem valor fixo para qualquer dia e horário de consumo.

Tocando de Primeira

Quando a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) criou a tarifa branca, ela era mais restrita. Somente podiam optar por esse tipo de cobrança clientes com consumo acima de 500 Kwh mensais. A partir deste ano, ela foi ampliada. Está disponível para clientes que consumam a partir de 250 Kwh/mês. Isso corresponde a uma conta de luz mensal média de R$ 140,00. A partir de 2020 estará acessível para adesão por todos os clientes de energia elétrica do país. Sem exigência de consumo mínimo.

Como ela é uma opção, para pagar esta tarifa é necessário solicitar à empresa fornecedora de energia do seu estado. Contudo, por enquanto, quem paga a tarifa social ou está incluído na classe de iluminação pública, não pode aderir à tarifa branca.

Como ela funciona?

O valor da tarifa varia de acordo com três períodos ao longo do dia, que consistem nos seguintes horários:

  • Ponta: Das 17:30 às 20:30 (é a mais cara das três faixas e também mais cara do que a tarifa convencional)
  • Intermediário: Das 20:31 às 22:30 (é mais cara do que a tarifa convencional)
  • Fora de Ponta: Das 23:31 às 17:30 (é a mais barata das três faixas e mais barata do que a tarifa convencional)

Saiba que:

  • Para a adesão é necessária a troca do medidor de energia. Consulte o prazo de troca antes de decidir pela adesão.
  • A empresa de energia não pode cobrar pelo serviço de troca do medidor.
  • Verifique se haverá custos com alterações no padrão de entrada do seu imóvel. Por exemplo, uma troca de fiação que seja necessária dentro do imóvel.
  • Consulte o prazo mínimo que você deverá permanecer com esta tarifa até poder solicitar o retorno à tarifa convencional. Para o caso de achar que não valeu a pena.
  • As empresas de energia podem oferecer canais on-line e telefônico para a solicitação de adesão e desistência dessa tarifa.
  • No horário de verão as faixas de horário da tarifa branca mudam. O horário de ponta passa a ser das 18:30 às 21:30. O intermediário, das 21:31 às 23:30. E o fora de ponta das 23:31 ás 18:30.

E as bandeiras verde, amarela e vermelha?

A tarifa branca não tem nenhuma relação com as bandeiras tarifárias. Estas indicam se haverá acréscimo no valor da energia, por necessidade de mais geração. Se a bandeira vermelha estiver vigente, a tarifa branca também sofre acréscimo.

Conta de luz mais cara no Rio de Janeiro

Em 12 de março, a ANEEL autorizou um reajuste médio de 11,12% nas tarifas da Light no Rio de Janeiro. Cerca de 11 milhões de clientes, em 32 municípios, vão pagar uma conta de luz mais cara. De acordo com a Agência, o aumento médio para os clientes residenciais e comerciais pode chegar a 11,52%. E as novas tarifas estão valendo desde a sexta-feira 15/03/2019. Um presente de grego no Dia do Consumidor!

A tarifa branca no Rio de Janeiro era cerca de 12% menor do que a convencional antes desse reajuste. Assim, após o aumento, a sua vantagem aumenta em comparação com a nova tarifa.

Mas para que a adesão a essa tarifa diferenciada seja realmente vantajosa é preciso considerar o seu perfil de consumo. Ou seja, os períodos do dia em que consome mais energia. Isso porque, em determinados horários, a tarifa branca é mais alta do que a convencional, que no Rio de Janeiro está ainda mais cara após o reajuste.

Em que casos vale a pena aderir à tarifa branca?

  • Principalmente se você concentra o uso de energia elétrica nos períodos do dia considerados fora de ponta. Por exemplo: lavando roupa em lavadora, usando ferro de passar elétrico, tomando banhos com chuveiro elétrico, usando o computador, etc.
  • Se o seu consumo de energia, em geral, é um consumo baixo. Por exemplo: não possui eletrodomésticos elétricos como chuveiro elétrico, aspirador de pó, panelas elétricas, secador de cabelo e prancha alisadora.
  • Se você não possui ou possui poucos aparelhos que fiquem ligados 24 horas por dia na rede elétrica. Como freezer (além da geladeira), ar-condicionado, telefone ligado em rede elétrica com aparelho de TV a cabo e roteador Wi-Fi, etc.

Ou seja, se você conseguir reduzir o seu consumo, ou mudar as tarefas do deu dia a dia deslocando o maior consumo de energia para os horários fora de ponta, a tarifa branca será vantajosa para você. Caso contrário, a sua conta de luz pode ficar mais cara do que a conta com a cobrança da tarifa convencional!

Fonte: Revista Seleções

Tocando de Primeira