Rio de Janeiro se mantém em estágio de alerta após forte chuva

Rio de Janeiro se mantém em estágio de alerta após forte chuva

47
Compartilhar

A Região Metropolitana do Rio e a Costa Verde enfrentam chuva moderada a forte contínua desde a manhã de segunda-feira (4). Com tanta água, a terça-feira (5) começou com bolsões d’água em diversos pontos, prejudicando o trânsito.

O Centro de Operações Rio mantém o estágio de atenção no município, implantado às 8h25 de segunda-feira (4), o segundo em uma escala de três.

A Defesa Civil recomenda que moradores se cadastrem no serviço gratuito de alertas via SMS. Basta enviar o CEP do imóvel para o número 40199, por mensagem de texto.

Pontos afetados

A frente fria já passou, mas a umidade do mar ainda traz núcleos pesados de chuva para bairros mais próximos do litoral. A Zona Oeste é a região mais atingida. Moradores de Sepetiba e de Santa Cruz enfrentam alagamentos. Às 7h20, pistas em Rio das Pedras e na Muzema estavam submersas.

A Zona Sul também registra bolsões – um deles, na Autoestrada Lagoa-Barra, parava o trânsito em São Conrado no sentido Zona Sul às 7h. As faixas foram liberadas às 7h15.

Às 7h40, o Aeroporto Santos Dumont operava com auxílio de instrumentos.

Pistas alagadas também eram registradas na Rua Marquês de São Vicente, na Gávea; na Rua Jardim Botânico, perto da Praça Santos Dumont; e na Avenida Borges de Medeiros, na Lagoa.

Baixada e Costa Verde

Ruas de municípios da Baixada Fluminense também amanheceram alagadas. Vários pontos de Nova Iguaçu ficaram com pontos de alagamentos.

A região do estado onde mais choveu desde a segunda-feira foi a Costa Verde. Em Mangaratiba, algumas pessoas se arriscaram em meio à correnteza. Em Angra dos Reis, sirenes tocaram nas áreas de risco.

Onde mais choveu

  1. Mangaratiba: 239,5 mm
  2. Guaratiba: 215,2 mm
  3. Angra dos Reis: 180,4 mm
  4. Sepetiba: 162,8 mm.
  5. Santa Cruz: com 130 mm.

Ações preventivas

A Prefeitura do Rio recomenda que a população tome as seguintes ações preventivas:

  • Permaneça ou procure um local seguro. Evite áreas sujeitas a alagamentos ou deslizamentos;
  • Verifique se há sinais de rachaduras em sua residência. Ao perceber trincas ou abalo na estrutura, acione a Defesa Civil pelo número 199 e evite ficar em casa;
  • Moradores de áreas de risco precisam ficar atentos aos alertas sonoros. O acionamento das sirenes indica perigo de deslizamento. As pessoas devem se deslocar para os pontos de apoio estabelecidos pela Defesa Civil Municipal. Os locais são informados pelo número 199;
  • Redobre a atenção ao dirigir. Em caso de chuva, as pistas ficam escorregadias e podem conter bolsões d’água. Mantenha os faróis acesos;
  • Em casos de ventos fortes e/ou chuvas com descargas elétricas, evite ficar próximo a árvores ou em áreas descampadas.

Fonte: G1