Mergulhador morre sem oxigênio em caverna na Tailândia ao levar suprimentos para...

Mergulhador morre sem oxigênio em caverna na Tailândia ao levar suprimentos para os meninos que estão presos

443
Compartilhar

NOVA YORK – As autoridades da Tailândia confirmaram nesta sexta-feira (6) a morte de um mergulhador das equipes de salvamento que tentam resgatar os 12 adolescentes e um adulto que estão presos em uma caverna do norte do país desde o dia 23 de junho.

A vítima, ex-integrante do corpo de elite da Marinha, de 38 anos, e identificado como Samarn Kunan, morreu ontem, ao ficar sem oxigênio enquanto retornava de uma expedição que levou provisões ao grupo de meninos.

“A morte deste especialista mergulhador serve para mostrar a dificuldade dos trabalhos de resgate. Apesar desta morte, não vamos parar de trabalhar para resgatar o grupo”, afirmou uma fonte do gabinete do governador da província de Chiang Rai, onde está localizada a caverna.

Os restos mortais de Kunan foram levados para a cidade de Sattahip, no sudeste, onde será realizado o funeral.

As autoridades analisam duas opções para a saída dos meninos: mergulhar pelas passagens inundadas ou encontrar um buraco na montanha por onde poderiam ser retirados com ajuda de um helicóptero.

O bom tempo e a drenagem artificial das águas que inundam parcialmente a caverna abriram a possibilidade para uma tentativa de resgate.

No entanto, as autoridades relutam em anunciar uma data para as operações, embora assegurem que vão prosseguir gradualmente, tirando primeiro os jovens em melhores condições físicas e psicológicas.

O grupo – composto por 12 adolescentes entre 11 e 16 anos e um adulto de 26 – foi localizado na noite da última segunda-feira (2) em uma ilha de terra firme a cerca de 4 km dentro da caverna e após nove dias de intensa busca onde participaram mais de 1.300 pessoas.

Os militares, entre eles um médico e um psicólogo, cuidam dos garotos com suplementos energéticos e vitaminas. Apesar de visivelmente magros, estão em bom estado de saúde.

Com G1 / Euronews