Era o ateu que mais praticava o amor ao próximo, diz viúva...

Era o ateu que mais praticava o amor ao próximo, diz viúva de Boechat

16
Compartilhar

A viúva de Ricardo Boechat, Veruska Boechat, afirmou durante o velório do jornalista, que começou na noite de segunda-feira (11) e continuava na manhã desta terça (12), que ele foi o ateu que mais praticava o amor ao próximo.

“Meu marido era o ateu que mais praticava o mandamento mais importante de todos, que era o amor ao próximo, porque sempre se preocupou com todo mundo, sempre teve coragem. E é muito difícil fazer o que ele sempre tentou fazer. Então, com erros e acertos, como qualquer pessoa, mas tenho muito orgulho dele”, disse Veruska.

Boechat morreu nesta segunda-feira, aos 66 anos, durante acidente aéreo que também causou a morte do piloto Ronaldo Quattrucci. O helicóptero caiu na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, e bateu na parte dianteira de um caminhão.

Boechat era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e colunista da revista “IstoÉ”. Ele trabalhou nos jornais “O Globo”, “O Dia”, “O Estado de S. Paulo” e “Jornal do Brasil”.

Velório

O corpo de Boechat começou a ser velado no final da noite desta segunda-feira (11), no Museu da Imagem e do Som (MIS), nos Jardins, em São Paulo. Depois de uma cerimônia com familiares, o velório foi aberto ao público e deve ocorrer até 14h desta terça (12). O corpo dele será cremado em uma cerimônia fechada para a família e amigos.

Foram ao velório no MIS, entre outros, o governador de São Paulo, João Doria, e o presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação, João Carlos Saad.

João Doria afirmou ter perdido um amigo. “O Boechat foi meu amigo durante os últimos 40 anos. […] Eu o conheci no Jornal do Brasil. O jornalismo perde uma referência, pela grandeza com que conduziu seu trabalho, com amor e compaixão, e com muita isenção também”, disse Doria.

O jornalista Augusto Nunes lembrou da generosidade do amigo. “O Boechat, por trás daquele mau humor folclórico dele – a gente brincava muito com isso -, sempre foi um amigo incondicional e muito generoso. Pouca gente sabe que o Boechat ajudou tanta gente. Amigos iam pro apartamento dele e não pagavam nada. Você tava sem dinheiro, ele emprestava”, disse Nunes.

Na década de 1990, Boechat teve uma coluna diária no “Bom Dia Brasil”, na TV Globo, e trabalhou no “Jornal da Globo”. Foi ainda diretor de jornalismo da Band e teve passagem pelo SBT. Ele ganhou três vezes o Prêmio Esso, um dos principais do jornalismo brasileiro.

O acidente

Na manhã de segunda-feira, depois de apresentar jornal na Band News FM, na capital paulista, Boechat seguiu para um evento organizado para uma indústria farmacêutica, em um hotel em Campinas, no interior de São Paulo.

O helicóptero saiu de Campinas às 11h45 e seguia em direção à sede do Grupo Bandeirantes, no Morumbi, Zona Sul de São Paulo, quando caiu na Rodovia Anhanguera.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo feito pela empresa do helicóptero. De acordo com a Anac, a empresa não podia fazer táxi aéreo, mas sim prestar serviços de reportagem aérea. Ainda segundo a Anac, a empresa foi multada, em 2011, por atividade irregular.

Segundo a agência, a aeronave “estava com o Certificado de Aeronavegabilidade válido, bem como a Inspeção Anual de Manutenção, ou seja, em situação regular”.

Fonte: G1