Coreia do Norte liberta os três americanos que eram mantidos prisioneiros no...

Coreia do Norte liberta os três americanos que eram mantidos prisioneiros no país

131
Compartilhar

NOVA YORK – O três norte-americanos que foram libertados pela Coreia Norte chegaram aos Estados Unidos nesta quinta-feira (10), acompanhados do secretário de Estado, Mike Pompeo. Eles foram recepcionados pelo presidente Donald Trump, pouco depois da aterrissagem do avião.

Donald Trump e Melania recepcionaram Tony Kim, Kim Hak-song e Kim Dong-chul na porta do avião (Foto: Susan Walsh / AP Photo)

Trump e a primeira-dama Melania encontraram os três na porta do avião, na base de Andrews da Força Aérea. O vice Mike Pence também foi ao encontro do trio.

Kim Hak-song, Kim Sang-duk e Kim Dong-chul foram libertados na quarta-feira (9), mesmo dia em que Pompeo se reuniu com o líder norte-coreano Kim Jong-un para acertar os últimos detalhes da reunião de Kim com Trump. O local e a data já foram definidos, mas ainda não foram divulgados.

Segundo a agência de notícias norte-coreana KCNA, Kim disse que aceitou uma sugestão dos Estados Unidos para libertar os presos norte-americanos e deu anistia a eles. O líder norte-coreano afirmou ainda que sua reunião com Trump será “histórica” e um “excelente primeiro passo para a promoção do desenvolvimento da situação positiva na península da Coreia e a construção de um bom futuro”.

Antes da chegada aos EUA, os três ex-prisioneiros divulgaram uma nota de agradecimento, através do Departamento de Estado, na qual disseram: “Gostaríamos de expressar nosso profundo apreço ao governo dos Estados Unidos, ao presidente Trump, ao secretário Pompeo, e ao povo dos Estados Unidos por nos trazerem para casa. Agradecemos a Deus, e a todos os nossos familiares e amigos que rezaram por nós e pelo nosso retorno. Deus abençoe a América, a maior nação do mundo”.

Avião do governo dos EUA decola da base aérea americana de Yokota, nos arredores de Tóquio, com o secretário de Estado Mike Pompeo e os três americanos que foram libertados pela Coreia do Norte na noite de quarta-feira (9) (Foto: AP Photo/Eugene Hoshiko)

Os três americanos eram acusados de atividades anti-estatais. Dois deles foram presos em 2017 e um em 2015 e, segundo a imprensa sul-coreana, tinham sido retirados de um campo de trabalho em abril e transferidos para um hotel nos arredores de Pyongyang.

A propensão da Coreia do Norte de prender americanos e usá-los como moeda de troca era conhecida. Muitas vezes, os detidos foram libertados após a visita de personalidades americanas. Os motivos para os americanos viajarem para a Coreia do Norte são muitos: turismo, negócios, trabalho humanitário ou atividades missionárias.

O destino dos ex-prisioneiros recebidos nesta quinta, no entanto, é bastante diferente do de Otto Warmbier, outro americano libertado pela Coreia do Norte em 2017. Condenado a 15 anos de trabalhos forçados, acusado de roubar um cartaz com slogan político em uma área reservada aos funcionários do hotel em Pyongyang onde estava alojado, ele ficou detido por 17 meses.

Foto de arquivo mostra estudante Otto Warmbier sendo levado para tribunal de Pyongyang, na Coreia do Norte, em março de 2016 (Foto: Reuters/Kyodo)

O estudante, de 22 anos, chegou aos EUA em junho de 2017 em estado de coma, que segundo autoridades norte-coreanas foi provocado por uma combinação de botulismo com uma pílula do sono, e morreu seis dias depois. A família dele está processando a Coreia do Norte por “torturar e assassinar” o jovem.

Em Seul, pessoas assistem à reportagem na TV sobre os três americanos detidos na Coreia do Norte: Kim Dong Chul, Tony Kim e Kim Hak Song (Foto: AP Photo/Ahn Young-joon)

Veja a seguir quem são os três ex-prisioneiros que chegaram aos EUA nesta quinta-feira.

Kim Hak-song

Kim Hak-song trabalhava para a Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang quando foi preso em maio de 2017. Kim estava envolvido num projeto de desenvolvimento agrícola na fazenda experimental do instituto. Ele foi preso na estação de trem de Pyongyang quando embarcava em um trem que o levaria para sua casa, na cidade chinesa de Dandong. As autoridades o acusaram de cometer “atos hostis” contra o governo.

Kim, de cerca de 50 anos, nasceu em Jilin, na China, e estudou em uma universidade da Califórnia, segundo a rede CNN, que cita um ex-colega de classe. De acordo com essa fonte, ele havia voltado para a China após cerca de dez anos nos Estados Unidos.

A universidade norte-coreana, fundada por evangelistas cristãos estrangeiros, abriu suas portas em 2010 e tem alguns professores americanos. Seus alunos geralmente são membros da elite norte-coreana.


Kim Sang-duk

Kim Sang-duk, também conhecido como Tony Kim, foi preso em abril de 2017 no principal aeroporto de Pyongyang, quando se preparava para deixar o país depois de dar aulas por várias semanas. Ele também trabalhava para a Universidade de Ciência e Tecnologia.

Kim era professor da Universidade de Ciência e Tecnologia de Yanbian na China, perto da fronteira com a Coreia do Norte. Segundo o site da instituição, era professor de contabilidade.

De acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap, ele teria cerca de 60 anos. Participava de programas para ajudar crianças em áreas rurais. Yonhap o descreveu como “um homem muito dedicado”.

Seu filho indicou no Facebook que a família não recebeu notícias desde a sua prisão.

Kim Dong-chul

Kim Dong-Chul, um empresário de cerca de 60 anos, foi sentenciado em abril de 2016 a 10 anos de trabalho forçado após sua prisão por subversão e espionagem.

Ele foi preso em outubro de 2015, quando recebeu um pendrive com dados relacionados a atividades nucleares e outras informações militares, segundo a agência oficial norte-coreana KCNA.

Em entrevista à CNN em janeiro de 2016, Kim explicou que recebeu o material de um ex-soldado norte-coreano. Ele acrescentou que era naturalizado americano e morava em Fairfax, na Virgínia.

Contou ainda que administrava na época uma empresa de comércio e de serviços de hotelaria e negócios em Rason, a zona econômica especial da Coreia do Norte, perto da fronteira entre a China e a Rússia.

Um mês antes de seu julgamento, ele apareceu em uma coletiva de imprensa organizada pelas autoridades norte-coreanas para pedir desculpas por ter tentado roubar segredos militares em conluio com a Coreia do Sul. Os serviços de inteligência sul-coreanos negaram a informação.

Do G1