Sobe para 321 o nº de mortos após ataques no Sri Lanka

Sobe para 321 o nº de mortos após ataques no Sri Lanka

68
Compartilhar

Tocando de Primeira

Os primeiros elementos da investigação sobre os atentados que causaram 321 mortes no domingo de Páscoa (21) no Sri Lanka apontam para represálias pelo massacre em duas mesquitas na Nova Zelândia, informou o ministro da Defesa do país, Ruwan Wijewardene. O Estado Islâmico reivindicou a autoria dos ataques nesta terça-feira (23).

“As investigações preliminares revelaram que o que ocorreu no Sri Lanka foi em represália aos ataques contra os muçulmanos de Christchurch”, afirmou o ministro. Porém, Wijewardene não deu mais detalhes.

Tocando de Primeira

Em 15 de março, um homem fortemente armado invadiu duas mesquitas na Nova Zelândia, deixando 50 mortos.

Quarenta suspeitos de ter alguma relação com o ataque de domingo foram detidos. O Estado Islâmico, embora tenha reivindicado a autoria da ação, não apresentou provas de que os terroristas mantinham algum vínculo com o grupo radical. Por isso, a declaração deve ser vista com cautela.

O governo atribuiu os atentados à organização radical islâmica National Thowheeth Jama’ath (NTJ). Wijewardene afirmou que as investigações revelam que esse grupo tem vínculos com o relativamente desconhecido movimento islâmico radical na Índia, o JMI (Jamaat-ul-Mujahideen India).

As autoridades têm poucas informações sobre o JMI, exceto alguns dados revelados ano passado e que está ligado a um grupo de nome similar em Bangladesh.

O governo afirmou que vai pedir ajuda externa para rastrear ligações internacionais e a Interpol já anunciou que vai enviar uma equipe ao país asiático.

O país fez três minutos de silêncio em homenagem às vítimas nesta terça-feira, quando 30 pessoas foram enterradas apenas durante a manhã.

O Sri Lanka está em estado de emergência, em uma tentativa de prevenir novos ataques. A medida concede à polícia e aos militares amplos poderes para deter e interrogar sem ordem judicial.

Serviço de inteligência

O porta-voz do governo, Rajitha Senaratne, afirmou que, 14 dias antes dos ataques, relatórios do serviço de inteligência indicavam que eles ocorreriam. Porém, ele ressaltou que o primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, e seu gabinete não estavam a par dessas informações.

Tocando de Primeira