Segundo documentos, o ICE planeja realizar mais cinco blitz de imigração em...

Segundo documentos, o ICE planeja realizar mais cinco blitz de imigração em New Hampshire nos EUA

1837
Compartilhar

NOVA YORK – A American Civil Liberties Union (ACLU) iniciou uma investigação depois que 17 pessoas foram presas no final de semana passado em um posto de controle da Patrulha de Fronteira, na Interestadual 93, na cidade de Woodstock no estado americano de New Hampshire.

A operação começou no domingo (26/05) e terminou ao meio-dia de terça-feira (29/05), a 90 quilômetros da fronteira com o Canadá.

“É importante notar que esses pontos de verificação nem estão acontecendo na fronteira”, disse Gilles Bissonette, diretor jurídico da ACLU em New Hampshire. “Isso não é bom para negócios, turismo e liberdades civis. Agentes da Patrulha da Fronteira detiveram centenas, senão milhares, de pessoas sem qualquer suspeita razoável de que tenham cometido algum crime. Isso desafia o que significa viver em uma sociedade livre onde você não precisa da pressão de um interrogatório forçado com a polícia federal. Isso é exatamente o que as autoridades de imigração fizeram nesta operação”, continuou.

De acordo com o Departamento de Alfândegas e Proteção de Fronteiras (ICE, sigla em Inglês), as 17 pessoas presas eram imigrantes indocumentadas e seis delas tinham ultrapassado o período de Visto.

Os presos eram do Brasil, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Indonésia, Coréia, México, Montenegro, Ucrânia e Uzbequistão.

Bissonette disse que as evidências não apoiam a justificativa de que esses postos de controle são necessários para capturar pessoas que cruzam a fronteira. “Esses postos são montados sob a noção de que indivíduos estão atravessando uma fronteira internacional e estão se mudando para o interior dos Estados Unidos a partir dessa fronteira”, disse Bissonette. “Nada disso condiz com esses indivíduos. Nenhum deles atravessou a fronteira canadense. Eles são pessoas que vivem nos Estados Unidos”.

Na segunda-feira (28/05) uma mulher que mora em New Hampshire e foi detida no posto de controle disse a Boston 25 News que se sentiu como se estivesse em uma abordagem com “perfil racial”.

Bissonette destaca que “esses tipos de pontos de verificação sempre criam a possibilidade das autoridades aplicarem de maneira inadequada uma abordagem com base na raça”. “Vamos examinar e garantir que os brancos agora possam navegar, enquanto as pessoas de cor estão sujeitas a um interrogatório mais intenso. É isso que parece este tipo de ponto de verificação”, disse Bissonette.

No ano passado aconteceu um ponto de controle semelhante e em maio deste ano, o Tribunal do Circuito de New Hampshire decidiu que o posto da Patrulha da Fronteira, ocorrido em agosto de 2017, violou os direitos da Quarta Emenda.

No posto de controle mais recente, agentes apreenderam uma pequena quantidade de maconha, óleo de haxixe. Mas ficou confirmado que as drogas estavam na posse de cidadãos dos EUA.

A ACLU está investigando se o ponto de controle mais recente foi realizado adequadamente. De acordo com os e-mails internos da Polícia Estadual de New Hampshire, que a entidade obteve através de uma solicitação de registros públicos, a US Customs and Border Protection planeja realizar mais 5 postos de controle em New Hampshire este ano.

Com Brazilian Times