Juíza de Nova York suspende temporariamente deportação de imigrante que foi preso...

Juíza de Nova York suspende temporariamente deportação de imigrante que foi preso pelo ICE após entregar pizza em base militar

185
Compartilhar

NOVA YORK – O caso do entregador de pizza equatoriano preso depois de ser denunciado por um guarda de uma base militar em New York ganhou as manchetes na semana passada e também gerou protestos de imigrantes em várias partes dos EUA.

Um guarda lotado em uma guarnição do exército do Brooklyn, segurou o entregador e chamou os agentes do ICE para Pablo Villavicencio, de 35 anos, que está preso e seria deportado nos próximos dias, já que tinha uma ordem de deportação em aberto.

Diante da polêmica, os advogados da Sociedade de Assistência Jurídica (LAS, sigla em inglês) conseguiram a estada temporária de Pablo depois de uma audiência no tribunal federal de Manhattan, no sábado (09). Uma juíza federal bloqueou temporariamente a deportação de Pablo, que tem a vida ameaçada caso seja enviado para o Equador, de acordo com informações judiciais. A magistrada Alison Nathan garantiu a permanência até o dia 20 de julho, e o imigrante permanecerá sob custódia do ICE até que seu caso vá a um tribunal.

“Por favor, faça a coisa certa com o meu marido”, disse sua esposa Sandra Chica, no início da semana passada.

A esposa do imigrante, Sandra Chica, disse que ele foi entregar uma pizza na base militar, quando o guarda da portaria pediu a ele seus documentos. O imigrante, que trabalhava para uma pizzaria no Queens, mostrou uma identidade que não era uma driver’s license oficial. O guarda, então, chamou o ICE para o homem.

“Isso é desumano. Ele não estava cometendo nenhum crime. Ele é um pai de família que estava trabalhando para sustentar suas filhas, que têm três e dois anos de idade e nasceram nos EUA”, disse a esposa. Ela afirmou que ele já havia entregado pizza no local outras vezes.

Segundo o ICE, o equatoriano tinha uma ordem de deportação em aberto desde março de 2010. Por ser casado com cidadã americana, Pablo já tinha dado início ao processo de legalização.