Cresce o número de crianças separadas dos pais na nova política de...

Cresce o número de crianças separadas dos pais na nova política de imigração do Trump

353
Compartilhar

NOVA YORK – A superlotação dos chamados centros de atendimento do governo a crianças e adolescentes é um dos efeitos da política de tolerância zero contra de Donald Trump a imigração irregular.

Crianças separadas dos pais imigrantes, detidos nos Estados Unidos por tentar entrar ilegalmente no país, estão sendo levadas a estes abrigos. Com o aumento de detenções, há também um maior número de crianças nestes abrigos.

De acordo com a Secretaria de Saúde e Serviços Sociais (HHS, sigla em inglês), desde abril se registrou um aumento de 22% na quantidade de menores que se encontram nestes locais, à espera de decisões judiciais sobre o destino de pais presos por imigração ilegal. Entidades de defesa de direitos humanos denunciam que os centros estão trabalhando com 95% da capacidade. Há mais de 11,2 mil crianças nesses abrigos.

A separação de famílias por causa da política migratória mais rígida e a situação de crianças que aguardam as decisões tem causado comoção junto à organismos da sociedade civil que lutam pelos direitos imigrantes.


O problema existe, segundo especialistas em imigração, porque o governo não estava preparado para executar de maneira adequada suas próprias diretrizes.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos condenou a separação de crianças dos pais. A agência da ONU recomendou que as crianças deveriam ser protegidas e afirmou que os Estados Unidos devem parar imediatamente com a separação de famílias.

Vejam o vídeo de um dos centros de detenções superlotados nos EUA:

.

EXTRA!Cerca de 11 mil filhos de imigrantes estão presos nos Estados Unidos e lotam abrigosA superlotação dos chamados centros de atendimento do governo a crianças e adolescentes é um dos efeitos da política de tolerância zero contra de Donald Trump a imigração irregular .Crianças separadas dos pais imigrantes, detidos nos Estados Unidos por tentar entrar ilegalmente no país, estão sendo levadas a estes abrigos. Com o aumento de detenções, há também um maior número de crianças nestes abrigos.De acordo com a Secretaria de Saúde e Serviços Sociais (HHS, sigla em inglês), desde abril se registrou um aumento de 22% na quantidade de menores que se encontram nestes locais, à espera de decisões judiciais sobre o destino de pais presos por imigração ilegal. Entidades de defesa de direitos humanos denunciam que os centros estão trabalhando com 95% da capacidade. Há mais de 11,2 mil crianças nesses abrigos.A separação de famílias por causa da política migratória mais rígida e a situação de crianças que aguardam as decisões tem causado comoção junto à organismos da sociedade civil que lutam pelos direitos imigrantes.O problema existe, segundo especialistas em imigração, porque o governo não estava preparado para executar de maneira adequada suas próprias diretrizes.O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos condenou a separação de crianças dos pais. A agência da ONU recomendou que as crianças deveriam ser protegidas e afirmou que os Estados Unidos devem parar imediatamente com a separação de famílias.O caso da brasileira Jocelyn foi destaque em vários canais de TV e na internet nos Estados Unidos no começo deste mês. Ela e o filho de 14 anos foram detidos na fronteira entre México e Estados Unidos em novembro do ano passado. Jocelyn afirmou que tentava atravessar a fronteira para pedir asilo e fugir do marido violento.Após ser presa, a brasileira ficou oito meses separada do filho adolescente. Chegou a ser detida em uma prisão federal. O garoto foi levado a um abrigo para menores. Os dois só se reencontraram depois da ajuda de uma ONG americana que atua em defesa dos direitos civis.MM

Posted by Brazilian Times Newspaper on Monday, June 18, 2018

O caso da brasileira Jocelyn foi destaque em vários canais de TV e na internet nos Estados Unidos no começo deste mês. Ela e o filho de 14 anos foram detidos na fronteira entre México e Estados Unidos em novembro do ano passado. Jocelyn afirmou que tentava atravessar a fronteira para pedir asilo e fugir do marido violento.

Após ser presa, a brasileira ficou oito meses separada do filho adolescente. Chegou a ser detida em uma prisão federal. O garoto foi levado a um abrigo para menores. Os dois só se reencontraram depois da ajuda de uma ONG americana que atua em defesa dos direitos civis.

Com Jornalista Marcelo Malcher