Homem vende carro de ex-companheira para duas pessoas e some com dinheiro...

Homem vende carro de ex-companheira para duas pessoas e some com dinheiro e veículo na PB

31
Compartilhar

Polícia diz que homem de 29 anos, natural de Curitiba, responde a vários processos e já foi condenado a 3 anos de prisão.

Polícia recebe denúncia contra homem suspeito de estelionato em João Pessoa

Polícia recebe denúncia contra homem suspeito de estelionato em João Pessoa

O homem que vendeu o carro da companheira se passando por ela e sumiu com o veículo e mais de R$ 6 mil pagos por pessoas que o “compraram” em João Pessoa e Campina Grande, foi identificado nesta terça-feira (2). A Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa disse que o suspeito é Thiago Cristiano Boch, 29 anos, natural de Curitiba (Paraná).

A ex-companheira de Thiago, que não quis se identificar, informou que sua mãe tinha batido no carro e ele tinha se disposto a cuidar do veículo e colocá-lo para consertar. “Eu, besta , deixei. Ele foi com meu carro para a oficina e me enrolou durante vários dias dizendo que tinha mais coisas pra fazer”, contou.

Enquanto estava com o carro, Thiago Boch vendeu o veículo por um aplicativo de vendas online se passando por sua ex-companheira, utilizando um número de telefone de Brasília. “Thiago negociava pessoalmente e fez um WhatsApp se passando por mim dizendo que eu tava em Brasília, mas que ele [a pessoa que queria comprar] podia fazer tudo com Thiago”, disse a mulher.

O delegado Lucas Sá da DDF informou que além da mulher que teve o carro furtado, outra vítima prestou depoimento nesta terça-feira (2). Dessa vez, uma das pessoas que “comprou” o carro e pagou R$ 6 mil adiantados “a título de sinal para ‘garantir a negociação’”, falou o delegado.

Uma outra vítima identificada é de Campina Grande, que também adiantou um dinheiro pela compra do veículo. Lucas Sá disse que Thiago Boch responde a vários processos por receptação e o crime de moeda falsa, onde já foi condenado a 3 anos de prisão.

À ex-companheira, o suspeito dizia que procurava um local na praia para instalar um escritório e que enquanto não arrumava um emprego o seu pai enviava dinheiro todo mês. Ela disse que em momento algum suspeitou do que ele já havia cometido e nem de que sofreria um golpe: “ele tem uma conversa muito boa, que engana qualquer um”, afirmou.

Fonte: G1