Governo pode ser obrigado em 2018 a cortar até R$ 26 bilhões...

Governo pode ser obrigado em 2018 a cortar até R$ 26 bilhões em despesas não obrigatórias, diz Tesouro

100
Compartilhar

Para fazer um corte menor, governo precisa conseguir aprovar no Congresso redução das despesas obrtigatórias, diz secretária Ana Paula Vescovi. Se não conseguir, ficam ameaçados obras e serviços.

Sem medidas, governo terá que cortar R$ 26 bilhões em despesas não obrigatórias em 2018

Sem medidas, governo terá que cortar R$ 26 bilhões em despesas não obrigatórias em 2018

A secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, afirmou nesta terça-feira (26) que, sem a aprovação de medidas para reduzir as despesas obrigatórias – como o adiamento do reajuste dos servidores –, o governo terá de cortar R$ 26 bilhões em despesas discricionárias (não obrigatórias) para cumprir o teto de gastos em 2018.

Segundo o relatório das contas do governo, divulgado nesta terça, sem a aprovação no Congresso das medidas propostas pelo governo as despesas não obrigatórias de 2018 teriam que ser R$ 26 bilhões menores que em 2017. Se aprovadas as medidas, essa redução seria de R$ 19 bilhões.

Além do adiamento do reajuste dos servidores, outra medida que o governo também espera a aprovação é a da reoneração da folha de pagamento de setores empresariais, a fim de reduzir as despesas obrigatórias.

As despesas discricionárias incluem, por exemplo, os investimentos feitos pelos ministérios, incluindo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o programa Minha Casa Minha Vida, bolsas de estudo e manutenção de rodovias.

“Este não é um corte. É uma redução esperada no tamanho das despesas discricionárias, que já estão muito comprimidas, se nada fizermos com a evolução das despesas obrigatórias”, disse a secretária.

“Havendo crescimento das despesas obrigatórias, sem contenção por algumas medidas, vai faltar recursos para aportarmos o Fundo Nacional de Assistência Social, vai faltar recursos para bolsas de estudos, vai faltar recursos para manutenção das rodovias, para os investimentos públicos como um todo e para manutenção da máquina administrativa”, acrescentou.

Segundo a secretária, para o próximo ano, a regra do teto de gastos impõe um aumento máximo de 3% para as despesas de 2018 e, com o aumento das despesas obrigatórias – como despesa com folha de pagamento – o corte terá de ser nas despesas não obrigatórias.

Para o próximo ano a regra de teto dos gastos impõe um gasto máximo de R$ 1,348 trilhão. O teto de 2017 foi de R$ 1,309 trilhão.

Fonte: G1