Reforma da Previdência de Guedes prevê portabilidade

Reforma da Previdência de Guedes prevê portabilidade

32
Compartilhar

Com sistema de capitalização, seria possível transferir recursos acumulados

Reforma da Previdência de Guedes prevê portabilidade

Bolsonaro e o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, deram declarações nesta segunda-feira (12) de que trechos da reforma da Previdência dificilmente seriam aprovados neste ano e que a medida deve ficar para 2019.

O entendimento dentro da equipe de Paulo Guedes, futuro ministro da área econômica, também é o de que uma reforma da Previdência só será defendida e aprovada no próximo ano.

O futuro governo defende que o país implemente o modelo de capitalização para os novos trabalhadores, no qual as pessoas têm contas individuais.

O modelo prevê a permissão para que gestores da iniciativa privada administrem a poupança individual de aposentadoria dos trabalhadores.

Será possível inclusive fazer a portabilidade dos recursos acumulados, segundo integrante da equipe de Bolsonaro.

Esse novo modelo valerá para aqueles que aderirem à carteira verde e amarela, que prevê um regime de trabalho formal mais flexível.

O modelo atual da previdência pública no Brasil é o de repartição, no qual a contribuição dos trabalhadores é usada para pagar as aposentadorias e pensões.

As mudanças, defendidas pela equipe de Guedes, dependem da aprovação pelo Congresso Nacional.

O presidente Michel Temer chegou a enviar uma proposta de emenda à Constituição que altera as regras previdenciárias no fim de 2016, mas o texto está parado na Câmara dos Deputados.

Bolsonaro chegou a receber sugestões de alterações que poderiam ser feitas apenas com mudanças na lei, sem alterar a Constituição, mas não demonstrou apoio a elas.

Em transmissão ao vivo na última sexta (10), ele comentou as propostas que recebeu em Brasília: “O que a gente pode aproveitar ali para o ano que vem, pelo que estou vendo, pouca coisa pode ser aproveitada”, disse. Com informações do noticias ao minuto.