Mercado mantém previsão de queda no crescimento do PIB de 2019

Mercado mantém previsão de queda no crescimento do PIB de 2019

26
Compartilhar

Tocando de Primeira

Os analistas do mercado financeiro reduziram mais uma vez a previsão de crescimento da economia em 2019, segundo dados divulgados pelo Banco Central (BC) nesta segunda-feira (1). Os economistas também reduziram a previsão para a taxa de inflação deste ano.

De acordo com dados do relatório de mercado, conhecido como relatório “Focus”, a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 passou de 0,87% para 0,85%. Foi a 18ª semana seguida de corte na previsão de crescimento para o ano. Já a previsão da inflação passou de 3,82% para 3,80%.

Tocando de Primeira

Apesar da redução, a previsão do mercado está acima da expectativa de crescimento do Banco Central. Na semana passada, o BC reduziu de 2% para 0,8% a previsão de crescimento do PIB para 2019. A estimativa está no relatório trimestral de inflação, divulgado na quinta-feira (27).

O relatório Focus é resultado de levantamento feito na semana passada com mais de 100 instituições financeiras.

2020 e 2021

Os economistas dos bancos não alteraram a previsões de crescimento do PIB para 2020, mantendo a expectativa em 2,20%. Já a previsão de inflação para o próximo ano caiu de 3,95% para 3,91%.

Já para 2021 a previsão de crescimento do PIB foi mantida em 2,5% com uma inflação de 3,75%.

Taxa de juros

Os analistas do mercado financeiro reduziram mais uma vez a previsão da Selic para o final de 2019. Segundo dados do boletim, os economistas esperam que a taxa básica de juros encerre o ano em 5,50%.

Para o fim de 2020, a estimativa do mercado financeiro para a Selic caiu de 6,50% ao ano para 6%.

Câmbio, balança e investimentos

Os analistas ouvidos pelo relatório Focus não mexeram na projeção da taxa de câmbio para o fim de 2019, que ficou estável em R$ 3,80 por dólar pela sexta semana consecutiva. A previsão do dólar para o fechamento de 2020 e 2021 também não foi alterada ficando em R$ 3,80 e R$ 3,84, respectivamente.

Para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), em 2019, os analistas aumentaram a previsão de superávit de US$ 50,6 bilhões para US$ 50,8 bilhões.

Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado ficou em US$ 46,4 bilhões.

A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2019, ficou estável em US$ 85 bilhões. Para 2020, a estimativa dos analistas subiu de US$ 84,28 bilhões para US$ 84,36 bilhões.

Fonte: G1

Tocando de Primeira