Com Brasil em crise, Argentina entra no radar das visitas internacionais

Com Brasil em crise, Argentina entra no radar das visitas internacionais

126
Compartilhar

A Argentina voltou a entrar na rota de viagem de líderes internacionais e recebeu, desde a posse do presidente Mauricio Macri, em dezembro de 2015, ao menos uma visita por mês de chefes de Estado ou de líderes de organismos internacionais.

A lista inclui mandatários de EUA (na época, Barack Obama), Itália, Japão e Alemanha – que não passaram pelo Brasil em suas turnês recentes pela América do Sul.

Na semana passada, a Casa Branca informou que o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, visitará Colômbia, Argentina, Chile e Panamá. O Brasil não foi citado no comunicado.

Ao mesmo tempo, Macri tem participado de eventos internacionais aos quais antes a Argentina não comparecia, como o Fórum Econômco Mundial de Davos, e realizado viagens frequentes, para destinos como Vaticano (esteve duas vezes com o papa Francisco), EUA e China, além dos países vizinhos – esteve no Chile na última semana.

Para completar a abertura argentina ao exterior, Buenos Aires será sede neste ano da reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) e, no ano que vem, do encontro dos países do G20.

O país também presidirá o organismo internacional de combate à lavagem de dinheiro, Gafi (Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro), – que entre 2011 e 2014 chegou a repreender a própria Argentina por “deficiências” nessa área.


Esse conjunto de fatos tem gerado, de um lado, debates sobre a tomada, pela Argentina, de um possível vácuo deixado pelo Brasil na política internacional. De outro, há expectativas no país sobre quando essa “volta da Argentina ao cenário internacional”, como dizem os especialistas, surtirá efeitos práticos na economia e para os argentinos.

Fator novidade

Para analistas consultados pela BBC Brasil, a Argentina passou a ser uma “novidade” que está, no mínimo, despertando a curiosidade de líderes mundiais.

“Ocorre aqui agora o mesmo que ocorria quando Lula era presidente (do Brasil). Lula era um sindicalista que chegava à Presidência e era uma novidade que outros líderes e investidores queriam ver e entender de perto”, diz o cientista político e consultor Sergio Berensztein, de Buenos Aires. “Com Macri, apesar de ele ser pró-mercado e de sua trajetória ser muito diferente da de Lula, acontece a mesma coisa.”

Com o Brasil imerso em crise, líderes internacionais têm deixado de incluir Brasília em suas turnês – fato que é considerado “previsível”, segundo diplomatas brasileiros ouvidos pela BBC Brasil sob condição de anonimato.

“É naturalmente complicado porque o Brasil vive uma crise política e econômica inédita, e a impressão que temos é de que alguns líderes esperam que essa fase passe (para realizar visita ao país)”, disse um diplomata.

Para o ex-embaixador da Argentina no Brasil Juan Pablo Lohlé, do Centro de Estudos Políticos Estratégicos Internacionais (Cepei), a chegada de Macri representou, por sua vez, uma “guinada política-ideológica na política exterior” do país e a Argentina passou “de um nacionalismo sub-regional expressado pelo kirchnerismo a uma visão global-liberal”.

Lohlé acredita que o fato de o Brasil estar em uma situação política delicada contribui para o maior interesse pela Argentina. “Mas isso deve mudar quando a economia brasileira voltar a crescer e ocorrer uma renovação política no Brasil”, opina.
O economista Dante Sica, da consultoria Abeceb, de Buenos Aires, especializada na relação dos dois países, concorda com Berensztein ao afirmar que a Argentina é “a novidade” do momento.


“A Argentina é hoje uma novidade internacional, e muitos vêm aqui para ver isso de perto. E talvez não viajem ao Brasil pela instabilidade política, mas o Brasil é um país fundamental para os grandes investimentos”, afirma.

Em resposta por e-mail à BBC Brasil, a Secretaria de Imprensa da Presidência do governo Temer diz que “um país continental como o Brasil não produz vácuos e a defesa da política externa que atenda aos anseios concretos da sociedade brasileira é a melhor forma de defender nossos interesses reais”.

Pêndulo

Já em Buenos Aires, analistas admitem que apesar da “guinada” na política externa de Macri, investidores ainda veem a Argentina com “cautela”.

Nos governos de Cristina Kirchner (2007-2015) e de seu antecessor e marido, Néstor Kirchner (2003-2007), eram raras as visitas de autoridades estrangeiras a Buenos Aires e as participações do país em fóruns internacionais.

“Macri é o oposto de Cristina Kirchner, que demonstrava inconstância e prepotência (na política externa) e, em alguns casos, até falta de educação”, opina o professor de comércio internacional Raúl Ochoa, das universidades de Buenos Aires e Católica.

“A política do presidente é de claramente devolver a Argentina ao cenário internacional, com abertura comercial e aos investimentos. Mas os resultados disso não acontecem da noite para o dia.”

As desconfianças do mercado internacional ainda se devem ao histórico argentino: o calote da dívida externa em 2001 – na época, o maior da história do capitalismo – e as idas e vindas nas políticas interna e internacional não estariam contribuindo para efeitos imediatos da abertura na economia real.


Entre historiadores, a Argentina costuma ser definida como um país “pendular”, por suas mudanças radicais a cada novo governo.

“Hoje, são duas fotos do mesmo filme. Investidores e governantes têm esperança de que a Argentina, com Macri, possa atrair investimentos, porque aqui existem muitas oportunidades. Mas também questionam se as mudanças (em curso atualmente) serão mesmo de longo prazo”, analisa Ochoa.

Para o economista e consultor de empresas Orlando Ferreres, empresários nacionais e estrangeiros sinalizam que querem esperar o resultado das eleições legislativas de outubro para definir possíveis investimentos.

O pleito é visto como um plebiscito em relação ao governo, por cair na metade do mandato presidencial e porque definirá se Macri continuará tendo minoria no Congresso Nacional ou se conseguirá a maioria que precisa para aprovar seus projetos no Parlamento.

“Existe muito interesse (de investidores), mas também muitas dúvidas”, diz Ferreres. “Em termos práticos, o que vemos hoje é um maior volume (de transações) no setor financeiro, mas cautela nos investimentos de longo prazo.”

Segundo ele, a queda no índice oficial de inflação, “que foi de cerca de 40% no ano passado e seria de pelo menos 20% neste ano”, e a perspectiva de retomada do crescimento econômico – recessão em 2016 e de alta do PIB em 2017 – são considerados positivos.

‘Mais credibilidade’

Na viagem que fez à Argentina em junho, a chanceler alemã Angela Merkel disse que o país “se abriu” e que “as condições da economia têm agora mais credibilidade, caminho essencial para que cheguem os investimentos de grandes, médias e pequenas empresas”.
Foi a primeira vez que Merkel visitou Buenos Aires, apesar de ter ido à América Latina em sete ocasiões, anteriormente, incluindo o Brasil – que desta vez não fez parte do roteiro da alemã.

Na capital argentina, ela abordou temas como a reunião do G20 e as negociações para o acordo entre Mercosul e União Europeia, que se arrastam há anos. Merkel também alimentou expectativas de apoio à filiação da Argentina à OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, grupo chamado de “clube dos ricos”).

Foi aventada uma reunião bilateral entre Merkel e Michel Temer em julho na Alemanha, onde será realizada a cúpula do G20. Mas o encontro não ocorrerá, e Temer sequer deverá ir à cúpula.

Fontes do governo brasileiro dizem que, apesar da crise brasileira, o comércio bilateral e a presença de empresas da Alemanha no Brasil “não permitem que a relação seja distante”, mas agregam que a confirmação da viagem de Temer pode ocorrer só no último momento. A ida à Alemanha, se confirmada, faria parte das poucas viagens internacionais que Temer realizou até aqui, incluindo Japão, Rússia e Noruega.


Primeiros resultados

De volta à Argentina, para Sica, algumas medidas de política internacional do atual governo já começaram a dar resultados, como um acordo com a Colômbia para exportação de automóveis.

“Mas não é só nessa área. Há negociações avançadas em outros setores, como o de agronegócios, que antes não existiam. O fim do isolamento internacional da Argentina significa ainda maior facilidade de acesso a financiamentos (para governos locais e empresas), o que também antes não ocorria”, diz Dante.

Para ele, a “dinâmica” de incluir a Argentina no cenário internacional “já começou”, mas seu seus efeitos serão de longo prazo e não necessariamente vinculados à eleição legislativa deste ano.

“As eleições serão um bom termômetro, mas não serão decisivas”, opina.

Ao mesmo tempo, o deputado do Parlasul Oscar Laborde, da Frente para a Vitória (kirchnerista), publicou artigo no jornal Página 12 chamando de “desastrosa” a política exterior do atual governo – citando a suspensão da Venezuela do Mercosul por “preconceitos ideológicos”, a suposta troca da integração regional latino-americana “por um alinhamento incondicional aos EUA” e a falta de “resultados” de visitas líderes internacionais.

Para Lohlé, por sua vez, Macri passou a simbolizar previsibilidade que não existe hoje na Venezuela, por exemplo.
Neste mês de junho, a então ministra das Relações Exteriores do governo Macri, Susana Malcorra, foi substituída por um embaixador de carreira, mas segundo analistas a mudança não alteraria a linha política do governo Macri – “definida pelo próprio presidente”, que está “decidido a colocar a Argentina no mapa internacional”, dizem diplomatas argentinos.

Da BBC Brasil